Logo Observador
China

China. Câmaras contra os ladrões do papel higiénico

Talvez pareça estranho, mas na China existe uma grande quantidade de papel higiénico a ser roubado das casas de banho públicas. Para o evitar, o país está a instalar câmaras de reconhecimento facial.

São as pessoas mais idosas que estão a roubar o papel para uso doméstico

Na China grandes quantidades de papel higiénico começaram a serem roubadas das casas de banho públicas. Serão as pessoas mais idosas que estarão a roubar o papel para uso doméstico. Por isso Pequim decidiu instalar um software de reconhecimento facial para pôr fim ao crime, conta o The Guardian. Agora quem quiser utilizar as casas de banho mais movimentadas da cidade, só poderá ter acesso a papel higiénico se passar o rosto num scanner especial.

As pessoas terão quer ficar, durante três segundos, em frente a uma câmara, retirando chapéus e óculos. Depois são-lhe fornecidos apenas 60 centímetros de papel. E para entrarem de novo terão que esperar nove minutos, caso contrário, o acesso é-lhe negado.

Segundo conta o The Guardian, já houve contudo alguns relatos de mau funcionamento destas máquinas, que obrigam, em alguns casos, à espera de mais de um minuto antes de se poder entrar na casa de banho. Para além da questão da demora, a máquina está também a levantar alguns problemas quanto à privacidade dos utentes. Algumas pessoas já se terão queixado quanto ao incómodo de existir um registo sobre as suas idas à casa de banho. Em alguns casos, inclusive, as máquinas já chegaram a avariar por completo, obrigando o staff a distribuir (à mão) papel higiénico, relatou a imprensa local.

Pequim poderá tornar-se assim um das cidades mais vigiadas do mundo. A polícia da cidade afirma ter 100% da cidade coberta por mais de 46 mil câmaras e uma equipa de 4,300 polícias a assistir e controlar os vídeos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Um homem, um gesto

Laurinda Alves

Fernando Álvarez fez sozinho o minuto de silêncio e humanamente ganhou em toda a linha. Harry Athwal, que permaneceu ajoelhado ao lado do rapazinho, deu um testemunho admirável de coragem e humanidade

Terrorismo

Um homem, um gesto

Laurinda Alves

Fernando Álvarez fez sozinho o minuto de silêncio e humanamente ganhou em toda a linha. Harry Athwal, que permaneceu ajoelhado ao lado do rapazinho, deu um testemunho admirável de coragem e humanidade