Livros

Romances, cartas e linguagem

A sátira pode servir a realidade. Mas quando chegamos à troca de correspondência entre dois amantes, aí não há sátira nem realidade que lhes valha. Estas são as escolhas de José Carlos Fernandes.

Karan Mahajan

Larry D. Moore

Autor
  • José Carlos Fernandes

A associação das pequenas bombas
Karan Mahajan
(Relógio D’Água)

Agora que o Ocidente parece estar a perceber que terá que conviver com um “terrorismo de proximidade”, espontâneo, artesanal e de baixa intensidade, há muita matéria para meditação no segundo romance deste americano de ascendência indiana e que cresceu em Nova Delhi. As bombas, diz-nos Mahajan, não mudam a vida apenas daqueles que são apanhados na explosão e há estilhaços invisíveis que ficam cravados na carne para toda a vida. Um arriscado equilíbrio entre trágico e cómico e entre crueldade e ternura.

A sétima função da linguagem
Laurent Binet
(Quetzal)

Uma sátira delirante ao mundo intelectual francês disfarçada de thriller. Tudo começa com o atropelamento de Roland Barthes por uma carrinha de uma lavandaria, em Paris, a 25 de Fevereiro de 1980. O atropelamento, que ditaria a morte do filósofo alguns dias depois, foi real, boa parte das personagens convocadas por Binet – Michel Foucault, Julia Kristeva, Louis Althusser, François Mitterrand, Giscard d’Estaing, entre muitos outros – também o são, mas os fios que Binet tece para as ligar num complexo enredo são um prodígio de invenção e humor negro.

Cartas de amor e de guerra
Mikhail Chichkin
(Ítaca)

Dois amantes trocam cartas ardentes de paixão. Depois percebe-se que os separa não só o espaço mas também o tempo. E que o diálogo epistolar é antes um duplo monólogo, unido por fios quase invisíveis e que oscila livremente entre delírio vaporoso e lucidez cortante. Para exemplo do segundo caso, fique-se com esta frase: “A família é o ódio entre pessoas que não podem passar umas sem as outras”.

A evitar por quem entenda que no final dos romances todos os fios deverão ser atados, a investigar a quem aprecie romances que ficam a reverberar dentro de nós durante meses ou anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site