Fogo de Pedrógão Grande

Pedrógão Grande. Comissão instaladora fala de relatórios parcelares e informação a “conta-gotas”

A responsável da comissão instaladora da Associação de Apoio às Vítimas de Pedrógão Grande disse que vão existir vários relatórios parcelares com informação a "conta-gotas".

A Autoridade Nacional de Proteção Civil registou 12 pedidos de ajuda sem resposta durante o incêndio de Pedrógão Grande

MIGUEL A. LOPES/LUSA

A responsável da comissão instaladora da Associação de Apoio às Vítimas de Pedrógão Grande disse esta quinta-feira que vão existir vários relatórios parcelares com informação a “conta-gotas”, mas que no final tem que ser visto o todo “por quem sabe”.

Os relatórios são todos parcelares, mas o que importa é que no final tem que ser visto como um todo e por quem sabe e por quem deve, isto é, a Comissão Técnica Independente e Ministério Público”, afirmou à agência Lusa, Nádia Piazza.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) registou 12 pedidos de ajuda sem resposta durante o incêndio de Pedrógão Grande por falta de meios e 25 por falhas de comunicação, registando-se vítimas e casas destruídas em alguns locais onde foi pedido apoio.

Numa resposta enviada ao Governo, a Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) aponta para a dispersão do dispositivo face à disseminação de localidades afetadas, para a velocidade das chamas e para as dificuldades nas comunicações como fatores que condicionaram a resposta dos operacionais no incêndio de Pedrógão Grande, que provocou, pelo menos, 64 mortos.

A responsável da Comissão Instaladora da Associação de Apoio às Vítimas de Pedrógão Grande adianta que os relatórios “são todos parcelares” e que “cada um ‘per si’ tem a sua importância”, sendo que tem que ser visto no final, “como um todo e por quem sabe”.

Contudo, defende que todos têm o direito de saber o conteúdo desses relatórios parcelares que vão surgindo: “Ruído vai haver. Vamos ter um agosto de relatórios, eu não sei é a quem interessa (…)”.

Nádia Piazza considera que é positivo que haja este conjunto de relatórios todos, apesar de voltar a realçar que são parcelares.

“Não sei a quem é que aproveita em estarem a sair a conta-gotas. Ponho a questão de quem é que aproveita ou interessa, saírem os resultados parcelares a conta-gotas. E se, por um lado, todos temos direito de saber o seu conteúdo, por outro também representa mais ruído no processo de investigação que deve ser célere mas profundo”, sustentou.

Esta responsável é taxativa em afirmar que no final quer “saber tudo” e adianta que tem as suas desconfianças no que diz respeito ao combate inicial do incêndio.

“Falhou o combate inicial, foi uma falha gravíssima na fase inicial de combate ao fogo e não foram tomadas medidas preventivas. Alguma coisa falhou”, disse.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Identidade de Género

A Esquerda e a libertação do Homem

Pedro Morais Vaz

Vamos dar esta mensagem a jovens de 16 anos: “Ainda não tens maturidade suficiente para ingerir uma cerveja, mas não nos opomos a que troques de sexo”. Serei o único a ver algo de patológico nisto?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site