Barcelona

Barcelona. O nadador que fez um minuto de silêncio sozinho

97.016

Fernando Álvarez pediu à organização da competição um minuto de silêncio pelas vítimas de Barcelona, mas o pedido foi recusado. Então, o nadador fez a homenagem sozinho, acabando por perder a prova.

Fernando Álvarez ficou durante um minuto quieto na sua prancha e só depois partiu

O nadador espanhol Fernando Álvarez pediu à organização do Mundial de Masters de Budapeste, em que está a participar, que fosse feito um minuto de silêncio antes da realização das provas em homenagem às vítimas do atentado de Barcelona. A organização recusou. “Não se pode perder nem um minuto”, foi a resposta da organização da prova de veteranos ao nadador espanhol.

Álvarez não se conformou e, quando chegou a sua vez de competir, na prova dos 200 metros bruços, quando todos os outros nadadores partiram, o espanhol ficou quieto e em silêncio durante um minuto na prancha, e só depois partiu, acabando por perder a prova. Em Budapeste para competir nos 50, 100 e 200 metros bruços, Álvarez contou ao jornal El Español como tentou convencer a direção da prova a promover o minuto de silêncio:

“Já tinha competido nos 100 metros, e na sexta-feira enviei um email à presidente da competição, que tinha porque me tinham enviado um email a convidar-me para a festa do campeonato no domingo”, explicou. Não tendo recebido nenhuma resposta, logo às 7h da manhã de sábado foi falar com a direção da corrida, antes das provas. “Reenviaram o meu email mas não me resolveram nada”, recorda.

Acabou por conseguir falar pessoalmente com o diretor da competição através de uma médica que entendeu “desde o primeiro momento” a intenção do nadador. “Mas disseram-me que não era possível porque não se podia perder nem um minuto”, lembra. Resolveu então fazer a homenagem sozinho. “Fiquei parado, como quando dizem “firme” no tropa. Fiquei assim e saí um minuto depois, mas para mim é igual. Estava a senti-lo mais do que se ganhasse todos os ouros do mundo.”

Veja o vídeo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Barcelona

O medo e a coragem

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
799

Faz sentido, aqui e agora, temer os assassinos que, em nome da sua religião, semeiam o terror por toda a Europa e não só.

Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Rui Ramos

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.  

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site