Incêndios

Homem morreu no Sabugal cercado pelas chamas que ateou

O homem de 73 anos que na segunda-feira foi encontrado morto no concelho do Sabugal, no local onde deflagrou um incêndio rural, morreu cercado pelas chamas que ateou, esclareceu a Polícia Judiciária.

Paulo Cunha/LUSA

O homem de 73 anos que na segunda-feira foi encontrado morto no concelho do Sabugal, no local onde deflagrou um incêndio rural, morreu cercado pelas chamas que ateou, esclareceu esta terça-feira a Polícia Judiciária.

O Departamento de Investigação Criminal da PJ da Guarda refere em comunicado divulgado terça-feira que, com a participação direta de peritos do Laboratório de Polícia Científica, que também participaram na inspeção ao local, “recolheu elementos fortemente indiciadores” em como o incêndio florestal “teve origem em queima de sobrantes”.

“Esta atividade foi levada a cabo por [um] homem de 73 anos de idade, que, entretanto, foi cercado pela força das chamas que rapidamente fugiram ao seu controlo e que provocaram a sua morte no local”, refere a nota. Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro da Guarda, o corpo da vítima “foi encontrado carbonizado no local do incêndio” pelas 11:45 de segunda-feira.

Fonte do Comando Territorial da GNR da Guarda disse à Lusa que o homem foi encontrado morto por uma patrulha que se deslocou ao local do incêndio, nas proximidades de Terreiro das Bruxas, localidade que pertence à freguesia de Santo Estevão e Moita, no concelho do Sabugal.

O incêndio deflagrou pelas 10:53 de segunda-feira, numa zona de mato, e, pelas 12:30 entrou em fase de conclusão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Autoproteja-se o senhor!

Laurinda Alves

Autoproteja-se a si mesmo enquanto é tempo, senhor secretário de Estado da Administração Interna, porque aquilo que os senhores estão a gerar é um perverso sistema de Desprotecção Civil.

Incêndios

Fogo posto não é terrorismo?

José Milhazes
730

Concordo com os que dizem que a vida humana não tem preço, mas parece que há alguns dos nossos políticos que seguem o princípio estalinista de que a morte de mais do que uma pessoa é mera estatística.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site