Tribunal de Contas

Tribunal de Contas aponta falhas a acordos entre Estado e Misericórdia do Porto

Uma auditoria do Tribunal de Contas revela que os acordos entre a Administração de Saúde e a Misericórdia do Porto "estão prejudicados" pela ausência "de análises custo-benefício".

O Tribunal de Contas recomenda que seja ponderada a "alteração do paradigma do financiamento" desses acordos

ANDRE KOSTERS/LUSA

Uma auditoria do Tribunal de Contas revela que os acordos entre a Administração de Saúde e a Misericórdia do Porto “estão prejudicados” pela ausência “de análises custo-benefício, exigidas legalmente”, recomendando alterações ao “modelo de financiamento” do Hospital da Prelada.

O documento, divulgado esta sexta-feira na página da Internet do Tribunal de Contas, “incidiu sobre os anos de 2013 a 2016” e “analisou os acordos celebrados entre o Estado, através da Administração Regional de Saúde do Norte [ARSN], e a Santa Casa da Misericórdia do Porto (SCMP)”, relativos à “prestação de cuidados de saúde a utentes do SNS no Hospital da Prelada e no Centro de Reabilitação do Norte”.

No relatório, o Tribunal de Contas recomenda ao ministério da Saúde e à ARSN que “a celebração de acordos com entidades do setor social seja precedida de análises custo-benefício”, rever o “modelo de financiamento do Hospital da Prelada” e abrir um concurso público “a todos os eventuais interessados” para a gestão do Centro de Reabilitação do Norte.

De acordo com a auditoria do Tribunal de Contas, “em 2013 e 2014, o Estado excecionou o Hospital da Prelada da aplicação dos preços praticados no SNS, o que resultou num sobrecusto de cerca de 11,7 milhões de euros em cada ano”.

O Tribunal de Contas diz tratar-se de uma decisão “não fundamentada do ponto de vista da economia, eficiência e eficácia”, em que o Estado “subordinou a gestão eficiente dos dinheiros públicos ao financiamento da SCMP”.

De acordo com a auditoria, “o financiamento público da atividade realizada no Hospital da Prelada, a preços idênticos aos dos hospitais do SNS, não assegura uma eficiente gestão dos recursos”.

Contactada pela Lusa, a ARSN informou que o conselho diretivo está “a trabalhar no sentido de responder às recomendações emanadas pelo Tribunal de Contas decorrentes da auditoria em questão”.

O provedor da SCMP, António Tavares, considera que o relatório “evidencia carências no SNS que o Hospital da Prelada tem vindo colmatar, nomeadamente em áreas de referência como a ortopedia ou a medicina física”.

Achamos que podemos continuar a prestar esse serviço. O relatório mostra que existem benefícios para a comunidade”, disse, mostrando convicção de que é ainda “possível melhorar”.

Quanto à sugestão de revisão do modelo de financiamento, Tavares considera ser “natural”.

“Tem-se vindo a trabalhar com essa preocupação. Criou-se uma nova legislação. É natural que se façam estudos”, afirmou, destacando que a SCMP é uma entidade do setor social, “cujos proveitos revertem a favor da comunidade”.

De acordo com o Tribunal de Contas “os acordos celebrados com a SCMP estão prejudicados pela falta de análises custo-benefício, exigidas legalmente, que avaliassem a capacidade e os custos marginais de produção do SNS”, bem como por “critérios de acesso que garantam que a referenciação para o Hospital da Prelada apenas é realizada após ter sido esgotada a capacidade instalada no SNS”.

O Tribunal de Contas assinala ainda que “o acordo de cooperação com a SCMP não se encontra fundamentado do ponto de vista económico e financeiro, desconhecendo-se se o valor contratado é inferior ao custo de oportunidade para o SNS”.

A ARSN não fundamentou o acordo, celebrado por cinco anos e no montante de 30 milhões de euros/ano, com estudos económicos, os quais permitiriam não só confirmar a capacidade instalada disponível (ou não) no SNS, mas também o tempo necessário para que as unidades hospitalares do SNS implementassem mudanças adequadas para a realização de atividade adicional”, descreve o documento.

O tribunal alerta ainda que “os contribuintes estão a financiar, através do acordo relativo ao Hospital da Prelada, o acesso direto a este hospital dos beneficiários dos sistemas de saúde complementares”.

Ao ministério da Saúde, o Tribunal de Contas recomenda que seja ponderada a “alteração do paradigma do financiamento das relações de complementaridade, no sentido de serem os hospitais do SNS a assumir a despesa decorrente dos cuidados de saúde prestados por unidades hospitalares do setor social a utentes da sua área de influência”.

Quanto ao Centro de Reabilitação do Norte, a auditoria aconselha que, se se mantiver a opção pela gestão privada do equipamento, deve o ministério da Saúde “determinar a preparação do lançamento de um procedimento concorrencial até ao final do corrente ano aberto a todos os eventuais interessados, sejam eles do setor privado, social ou com fins lucrativos”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Proteção Civil

Os inconsequentes

Helena Cristina Coelho

Não sei o que é pior: se ver as falhas da Proteção Civil expostas numa auditoria do Tribunal de Contas, se descobrir que as recomendações feitas há dois anos foram na maioria ignoradas ou adiadas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site