PSD

“Vieira da Silva não pode ir de fim de semana sem dar explicações ao país”

542

O PSD quer ouvir Vieira da Silva sobre o caso Raríssimas até sexta-feira. Os sociais-democrata pediram a audição do ministro com "carácter de urgência" para dar as explicações que o "país exige".

JOÃO RELVAS/LUSA

Os sociais-democratas querem ouvir Vieira da Silva sobre o caso Raríssimas com carácter de urgência e até ao final da semana. “Ninguém entenderia que o Governo pudesse ir de fim de semana sem dar as explicações que o país exige”, afirmou Hugo Soares, líder parlamentar do PSD.

Em declarações aos jornalistas, Hugo Soares avançou que o PSD entregou um pedido no Parlamento para marcar a audição de Vieira da Silva com “carácter de urgência” entre quinta ou sexta-feira. “Acreditamos que é do interesse do próprio Governo terminar com este manto de suspeição”, repetiu Hugo Soares.

A audição de Vieira da Silva foi pedida pelo PS, mas os sociais-democratas querem acelerar o processo. Para o PSD, “avolumam-se as suspeitas sobre a conduta” do ministro em todo o caso. Hugo Soares lembrou no Parlamento que, enquanto vice-presidente da assembleia-geral da instituição, o socialista “caucionou” as contas da associação. Mais: já depois de ter recebido as denúncias do ex-tesoureiro sobre as suspeitas que recaíam sobre Paula Brito e Costa, Vieira da Silva “participou em atos” formais e “viajou até à Suécia” ao lado da presidente da Raríssimas.

“Em nome da transparência e da dignidade das instituições Vieira da Silva tem de dar explicações”, insistiu Hugo Soares. Evitando pedir abertamente a demissão do ministro da Segurança Social, o líder parlamentar do PSD desafiou o primeiro-ministro a pronunciar-se sobre o caso. “Ainda ninguém ouviu uma palavra de António Costa”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: msantos@observador.pt
Rui Rio

O líder da oposição

Maria João Avillez
102

Se o PSD fizer escolhas mais adequadas à nossa realidade e às suas circunstâncias em vez de alinhar na semi-ficção do país das maravilhas onde garantem que vivemos já estará a ser diferente. E melhor.

Ribeiro e Castro

O apagamento da história e o futuro do CDS

Abel Matos Santos

Agora que o PSD escolheu Rui Rio, defensor da eutanásia, o CDS só poderá afirmar-se e ganhar espaço se deixar o pragmatismo envergonhado que o separa da afirmação plena da razão para o qual foi criado

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site