Futebol Americano

Super Bowl deverá gerar 418 milhões de dólares em publicidade

A final do campeonato de futebol americano deverá gerar 418 milhões de dólares em publicidade e será seguida por 190 milhões de pessoas, estimou uma multinacional espanhola perita em redes sociais.

ERIK S. LESSER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A final de 2018 do campeonato de futebol americano deverá gerar 418 milhões de dólares em receitas de publicidade e será seguida por 190 milhões de pessoas, estimou este sábado uma multinacional espanhola especializada em redes sociais.

A empresa, uma das principais a nível mundial no setor, analisou o impacto mediático da edição de 2017 nas redes sociais e no mercado publicitário. Com base nesses dados e na evolução dos mercados, estima que a final deste ano seja uma das que maiores receitas deverá gerar na história da competição.

Segundo a agência EFE, que teve acesso ao relatório da Adglow, a empresa estima que o jogo de domingo gerará 418 milhões de dólares de receitas, devendo ser seguido por 190 milhões de espetadores e internautas.

Durante a edição de 2017, a competição foi seguida no Facebook por 64 milhões de pessoas e provocou mais de 46 milhões de comentários no Instagram. No Twitter houve 27 mihões de tweets com o hashtag Super Bowl.

A cadeia de televisão NBC, que irá transmitir a edição deste ano entre os New England Patriots, detentores do título, e os Philadelphia Eagles, irá cobrar cinco milhões de dólares pela exibição de anúncios com trinta segundos de duração. O preço elevado é justificado por um estudo da Gallup que refere que 33 por cento das pessoas que seguem a partida pela televisão estão mais interessadas na publicidade do que no jogo.

O jogo será transmitido em direto para 130 países, sendo narrado em 25 idiomas diferentes. Em Portugal, a transmissão é um exclusivo da Sport Tv a partir das 20 horas de domingo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Eutanásia: uma falsa compaixão

João Muñoz de Oliveira

Todos sabemos que a vida não nos pertence por completo: foi-nos dada pelos nossos pais como um dom, pelo que não temos domínio absoluto sobre ela. E este ponto reforça os argumentos contra a eutanásia

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site