Hollywood

Viúva de Richard Pryor confirma: o ator teve uma relação com Marlon Brando

139

Depois de o músico e produtor Quincy Jones ter revelado que uma das conquistas de Marlon Brando foi Richard Pryor, a viúva do ator e comediante, Jennifer Lee Pryor, confirmou o caso.

Os atores Richard Pryor e Marlon Brando

Autor
  • Ana Luísa Alves

A revelação foi feita pelo produtor norte-americano Quincy Jones, na mais recente entrevista que deu à Vulture, e já foi confirmada pela viúva de Richard Pryor: o ator teve uma relação com Marlon Brando. O músico e produtor vai mais longe e diz mesmo que foi amigo durante muitos anos de Brando e que sabe que Pryor foi um dos muitos parceiros sexuais masculinos que o ator teve.

Quincy Jones / ©Getty Images for Keep Memory Alive)

“Ele [Marlon Brando] costumava dançar cha-cha-cha connosco. Era sempre o mais charmoso, e poderia ir para a cama com quem quisesse. Fosse quem fosse! Ele esteve com James Baldwin, Richard Pryor, Marvin Gaye”, revelou Quincy Jones durante a entrevista.

Depois destas revelações, a viúva do ator, Jennifer Lee Pryor, disse ao site TMZ que é verdade aquilo que Quincy Jones contou. Jennifer esteve duas vezes casada com o comediante e acrescentou que tudo aconteceu “nos anos 70”, altura em que “as drogas ainda eram boas”.

“Se tomasse cocaína suficiente iria para a cama até com um radiador e enviava-lhe flores pela manhã”, acrescentou Jennifer ao TMZ. A viúva de Pryor referiu também que o marido fez saber desde sempre que era bissexual e que deixou escritos os seus casos em vários diários que planeia publicar já no fim deste ano.

Marlon Brando, considerado um dos mais importantes atores de sempre, morreu em 2004, com 80 anos. Teve relacionamentos com várias mulheres e assumiu a paternidade de, pelo menos, nove filhos. De acordo com o New York Daily News, as relações homossexuais do ator são também relatadas no livro Marlon Brando: The Only Contender, escrito por Gary Carey. Richard Pryor, um dos nomes mais influentes da história da comédia americana, morreu um ano depois de Brando, em 2005, com 65 anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assédio Sexual

Legalizar o Harvey Weinstein nacional

José Maria Seabra Duque
114

Pelos vistos, é um abuso alguém pedir sexo em troca de favores, mas já não o é se for em troca de dinheiro. Defender a legalização da prostituição é defender os Harvey Weinstein nacionais.  

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site