CDS-PP

CDS recusa mais impostos para a UE e acusa Governo de ser “a ‘troika’ sem a ‘troika'”

781

Vice-presidente do CDS-PP recusou a hipótese de aumentar a contribuição para a União Europeia. Nuno Melo acusou o Governo de ser "a troika sem a troika".

MANUEL ARAÚJO/LUSA

O vice-presidente do CDS-PP Nuno Melo recusou esta segunda-feira que Portugal possa abdicar de uma “função soberana clássica” como a cobrança de impostos e acusou o Governo de ser “a ‘troika’ sem ‘troika'”.

“Há pouco tempo criticava outros por irem além da ‘troika’ e agora quer, na arbitrariedade das decisões políticas, cobrar mais impostos através de Bruxelas. Se o anterior governo ia além da ‘troika’, este Governo é a ‘troika’ sem ‘troika’. É a ‘troika’ por si e por interposta pessoa”, defendeu Nuno Melo à Lusa.

O jornal Público noticiou esta segunda-feira que o executivo socialista de António Costa defende novas fontes de financiamento das instituições europeias a serem criadas com impostos sobre plataformas digitais, indústrias poluentes e transações financeiras internacionais, nomeadamente para o reforço de investimento em segurança e defesa comuns.

“Obviamente que relativamente a esta nova vontade de entrar no bolso dos portugueses, desta vez através de Bruxelas, o CDS manifesta-se frontalmente contra”, afirmou Nuno Melo.

O eurodeputado e ‘vice’ centrista considera que, se o primeiro-ministro entende que é necessário um aumento do orçamento da União Europeia deve convencer os seus congéneres da necessidade de aumentar as contribuições dos estados-membros, que podem ou não decidir aumentar impostos.

O Governo português, segundo o Público, apoia também o aumento da participação de 1% para 1,2% do rendimento nacional bruto de cada Estado-membro para fazer face às necessidades financeiras, sobretudo no período ‘pós-Brexit’ (saída do Reino Unido), tal como defende a Comissão Europeia liderada pelo luxemburguês Jean-Claude Junker.

Para Nuno Melo, “António Costa e o PS entendem manifestamente que o Estado soberano com tantos séculos como Portugal deve ser transformado numa espécie de região europeia”.

“Depois dos socialistas portugueses terem querido que fossem estrangeiros a escolher os representantes portugueses candidatos ao Parlamento Europeu, com as listas transnacionais, pretende agora o primeiro-ministro, que representa o Estado português alienar uma parcela fundamental da nossa soberania a favor de Bruxelas”, argumentou.

O dirigente do CDS sublinhou que “a função tributaria é uma função soberana clássica dos estados”.

“Não aceitamos que, a par de todos os impostos que já pagamos, alguns dos quais aumentaram largamente, exemplo dos impostos indiretos, se somem outros da lavra e imaginação do doutor António Costa, cobrados diretamente por Bruxelas aos contribuintes portugueses”, defendeu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O grande Gatsby

Miguel Alvim

O depoimento de Adolfo Mesquita Nunes, apesar da manchete mediática que inegavelmente teve, constituiu, sobretudo, uma proposta de promoção pessoal.

Terceira Idade

Quando for velho, quero ser gato

Domingos Freire de Andrade
985

Quererá a maioria de esquerda dizer, ao reprovar as propostas de protecção dos idosos e ao aprovar o reforço do estatuto dos animais de estimação, que estes têm prioridade face aos nossos mais velhos?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site