O Presidente da República lamentou este domingo que tenha havido “pouco da Europa” na campanha para as eleições deste domingo. Cavaco Silva sublinha assim o reparo que já tinha feito ontem à noite aos partidos sobre a forma como decorreram os dias de campanha.

À saída da mesa de voto, na freguesia da Estrela, como é habitual, Cavaco voltou a apelar diretamente aos portugueses para que “saiam do seu conforto, façam um esforço” e vão votar nas eleições europeias. “A abstenção não é solução, não contribui para melhorar as condições de vida dos portugueses, não contribui para o progresso do país”, disse.

A abstenção continua a ser o primeiro problema que Cavaco quer ver resolvido. “A abstenção não contribui para o desenvolvimento económico”, reforçou o Presidente, acrescentando que “é importante que os cidadãos europeus façam ouvir a sua voz”. “O desenvolvimento económico e social de Portugal depende muito das políticas europeias”, disse.

Sobre as leituras políticas a tirar dos resultados do escrutínio, Cavaco reforçou que não faz “qualquer comentário de natureza política”.

Ontem à noite, num discurso que pretendia cativar os eleitores para o direito de voto, o Presidente da República já tinha deixado subentendida uma nota aos partidos sobre o decorrer da campanha eleitoral. “A campanha eleitoral chegou ao fim. Como vos transmiti na minha mensagem de 19 de março, esse foi o tempo em que as diferentes forças políticas tiveram a oportunidade de esclarecer os Portugueses, de forma serena e elevada, com sentido de responsabilidade, sobre os desafios que a Europa irá enfrentar nos próximos anos e sobre o papel que terá o Parlamento Europeu neste momento histórico de enorme importância para todos nós”, disse ontem Cavaco.