O abono de família foi atribuído a 1.163.908 crianças e jovens em maio, um número que tem vindo a subir ligeiramente desde janeiro, mês em que foram registados 1.154.550 beneficiários, segundo os dados da Segurança Social. Até aos 18 anos, há dois milhões de pessoas, segundo dados do Pordata.

Contudo, face ao período homólogo de 2013, registou-um uma quebra de 3,2% no número de beneficiários a receber esta prestação social, caindo de 1.201.879, em maio de 2013, para 1.163.908, no mês passado (3,2%).

Os dados do Instituto da Segurança Social (ISS), atualizados a 03 de junho, referem que, face a abril, mês em que existiam 1.163.863 beneficiários, o número manteve-se praticamente igual em maio, com mais 45 crianças e jovens a receber este apoio.

Lisboa é a região do país com o maior número de abonos de família atribuídos (231.988), seguindo-se o Porto (224.719), Braga (109.943) e Aveiro (79.873).

Do lado oposto, o centro distrital de segurança social de Bragança é onde há menos beneficiários (12.034), seguido de Portalegre (12.298) e de Guarda (14.534).

O montante do abono família varia de acordo com a idade da criança ou jovem e com o nível de rendimentos de referência do respetivo agregado familiar.

O valor apurado insere-se em escalões de rendimentos estabelecidos com base no Indexante dos Apoios Sociais (IAS).

Os dados do ISS, publicados no site da Segurança Social, indicam também que, em maio, 5.133 crianças e jovens até aos 24 anos receberam o subsídio por educação especial, mais 509 relativamente a abril.

Face ao mês de maio do ano passado, foi registada uma quebra na atribuição deste subsídio, caindo de 7.522 para 5.133 em maio deste ano.