Os resultados líquidos da Sonae passaram de 15 para 52 milhões de euros até junho, mais do que triplicando face ao primeiro semestre de 2013, revelou nesta quarta-feira o grupo, que registou um aumento de 4,7% no volume de negócios. Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Sonae revelou que o volume de negócios durante os primeiros seis meses de 2014 foi de 2,306 mil milhões de euros, tendo o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, amortizações e depreciações) sofrido uma redução de 5,7% para 172 milhões de euros.

As vendas do grupo liderado por Paulo Azevedo cresceram 5,6% só no segundo trimestre, com destaque para o setor do retalho especializado, no qual a Sonae SR viu o volume de negócios subir 11,9% entre janeiro e junho. No caso do retalho alimentar, a Sonae MC registou um volume de negócios de 1,626 mil milhões de euros, 2,6% acima do primeiro semestre do ano passado.

O resultado direto passou de 33 para 45 milhões de euros entre o primeiro semestre de 2013 e os primeiros seis meses deste ano, uma subida de 39,1%.

“O mercado português de retalho alimentar tem sido extremamente competitivo desde o terceiro trimestre de 2013 levando a uma forte deflação dos preços e a uma situação onde os concorrentes mais fracos enfrentam grandes dificuldades. Nós não desejamos esta situação, mas como líderes de mercado, dotados de operações mais eficientes, preços de mercado mais baixos e melhor desempenho financeiro, vamos, obviamente, manter a nossa estratégia de liderança pelo preço”, referiu, no comunicado, o presidente executivo da Sonae, Paulo Azevedo.