Kent Brantly, de 33 anos, e Nancy Writebol, de 59, foram os primeiros pacientes infetados com Ébola curados com o fármaco experimental ZMapp, avança a BBC. Os norte-americanos contraíram o vírus enquanto trabalhavam num hospital na Libéria e foram enviados no início do mês para Atlanta, nos Estados Unidos. Ambos receberam alta durante esta quinta-feira, abrindo uma janela de esperança para a cura do surto de Ébola.

“Estou a recuperar em todos os sentidos”, disse Brantly, na passada sexta-feira, através de um comunicado. “Estou ansioso por voltar a encontrar a minha mulher, filhos e a minha família num futuro muito próximo. Obrigado pelas vossas orações e, por favor, continuem a rezar por todos os que que sofrem com esta epidemia na África Ocidental.”

Brantly e Writebol, que colaboram com a ONG norte-americana Samaritan’s Purse, foram as primeiras pessoas a receber ZMapp, que até então tinha apenas sido testado em macacos. Este fármaco, oriundo da plantação de tabaco, foi também aplicado em Miguel Pajares, um padre espanhol, que acabaria por morrer. O número de vítimas mortais na Libéria, Serra Leoa, Nigéria e Guiné já supera os 1300, segundo a Organização Mundial de Saúde.