António Vitorino

António Vitorino diz que decisões de TC “vão criar problemas ao próximo Governo”

Ex-ministro socialista esteve num jantar da Universidade de Verão do PSD e ironizou sobre o destino do próximo Governo PS: "Vocês vão divertir-se imenso com o que o TC vai fazer".

António Vitorino não considera que TC seja uma "força de bloqueio ou de oposição"

© Hugo Amaral

António Vitorino (PS) esteve na Universidade de Verão do PSD onde negou que o Tribunal Constitucional seja uma “força de bloqueio ou de oposição”. Acrescentou ainda que as decisões do TC “vão criar problemas para o próximo Governo”. E uma ironia, que provocou risos e aplausos na plateia de uma centena de jovens sociais-democratas, como relata o DN: “Quando o PSD passar à oposição, vocês vão divertir-se imenso com o que o TC vai fazer a um Governo PS.”

Confrontado com a ideia de que há “uma politização do TC”, António Vitorino negou justificando que se limita a fazer “a interpretação da Lei Fundamental, um exercício que tem obviamente a ver com a política”. Mas acrescentou uma frase em defesa do Executivo de direita: “O Governo tentou testar os limites do Tribunal Constitucional. É legítimo. E quando se testam os limites, há duas hipóteses: ou se ganha ou se perde. É verdade que algumas vezes perdeu, mas também algumas vezes o Governo ganhou”. UmaA ressalva, porém, ficou no fim: “Ninguém é bacteriologicamente neutro, os juízes do TC não são feitos numa proveta, não são inseminados artificialmente, são homens e mulheres que têm uma mundividência e essa mundividência é obviamente tributária de certas leituras da vida e do mundo que têm a ver com política”.

Vitorino não fez comentários acerca do PS ou do seu lugar dentro do partido após as diretas. Foi questionado sobre o tema, sim, mas respondeu, mais uma vez, com humor. “No PS, somos um partido muito organizado. A minha tarefa é pôr assim um ar moderado, para ser convidado para a Universidade de Verão do PSD e lançar a confusão para o centro.”

 

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)