Há um investidor norte-americano que criou uma bolsa de 100 mil dólares (77,19 mil euros) para jovens com menos de 20 anos deixarem a escola e lançarem as suas próprias empresas, diz o Business Insider. Estranho? Na opinião de Peter Thiel, o tal investidor, não. É que a premissa pela qual baseia o seu propósito é a seguinte: alguns dos maiores empreendedores do setor tecnológico lançaram empresas, que valem milhões, sem sequer terem acabado os estudos superiores.

O presidente da Clarium Capital, empresa gestora de fundos de investimento, já tinha explicado a iniciativa em 2010, durante a conferência TechCrunch. Na altura explicou que não estava a pagar aos jovens para abandonarem a escola, mas para “interromperem” os estudos. Público-alvo: 20 jovens com menos de 20 anos. Objetivo: encontrar as “melhores mentes” para começarem, cedo, a trabalhar em “coisas grandes”. É nesta fase que o verdadeiro pensamento disruptivo surge, segundo Thiel.

“A educação deve ser a única coisa em que as pessoas ainda acreditam nos Estados Unidos da América. Questionar a educação é verdadeiramente perigoso. É um tabu absoluto. É como anunciar ao mundo que o Pai Natal não existe”, afirmou Peter Thiel.

O investidor tem ainda outra justificação para a iniciativa: é que, ao interromperem os estudos para lançaram os seus próprios negócios, os jovens estão a evitar o endividamento em que incorrem quando entram nas universidades norte-americanas, para pagarem as propinas. Quando acabam a formação superior, a sua preocupação é pagar os créditos, em vez de se focarem em criar algo novo e Thiel espera mudar isso.

A iniciativa chama-se Thiel Fellowship e as candidaturas estão abertas no site da iniciativa. Os testemunhos dos empreendedores que já concorreram às bolsas também estão disponíveis. Chris Rueth, Laura Deming ou Alex Kiselev são alguns dos nomes que contam as suas histórias em documentário.

Mentor da “máfia do PayPal”, como é conhecido, Peter Thiel trabalha para acelerar a inovação e prevenir uma crise no setor tecnológico, ao identificar e fundir ideias promissoras na área. O objetivo é o de guiar as empresas de sucesso no caminho pelo domínio das indústrias em que atuam.

Dez milionários sem formação superior

O Business Insider lembra um grupo de empreendedores do setor tecnológico que ficaram milionários sem terminarem os estudos no Ensino Superior. Conheça dez.

Bill Gates

O fundador da Microsoft, cujo património líquido é de cerca de 81 mil milhões de dólares, deixou a Universidade de Harvard, para a qual entrou em 1973, dois anos depois de lançar a sua startup. Atualmente, é consultor da presidente da empresa, Satya Nadella, e tem-se dedicado à fundação que lançou com a mulher, a Bill and Melinda Gates Foundation.

Michael Dell

Michael Dell ainda era um caloiro da Universidade do Texas, quando decidiu desistir dos estudos. A Dell Computer, startup que lançou em 1984, transformou um eventual biólogo num multimilionário, com uma fortuna que ascende a 18,8 mil mil milhões de dólares. Em 1992, Dell integrou a lista das 500 maiores empresas do mundo da Fortune, com Michael Dell a ser o empresário mais jovem a ingressar no ranking.

Mark Zuckerberg

A rede social Facebook é obra de Marck Zuckerberg, que estudou na Universidade de Harvard. Desde 2004, que Zucherberg, com um património líquido de 34 mil milhões de dólares, lidera a empresa e a sua história já foi projetada na grande tela em A Rede Social. Em 2012, o Facebook foi admitido em bolsa e vale atualmente cerca de 200 mil milhões de dólares.

Steve Jobs

O mítico fundador da Apple lançou a sua startup numa garagem, em 1974, depois de deixar os estudos em Reed College. Foi com o co-fundador Steve Wozniak, que Jobs revolucionou a indústria dos computadores, móvel e da música. Mas Jobs, que faleceu em 2011 e cuja fortuna pessoal foi avaliada em sete mil milhões de dólares, em 2011, chegou a afirmar que a sua prioridade não era ser o homem mais rico do cemitério. “Ir para a cama e saber que fizemos algo maravilhoso… Isso sim, é o que me interessa.”

Jack Dorsey

Foi um dos fundadores da rede social Twitter e preside a empresa de serviços financeiros Square. Entrou na Universidade de Ciência e Tecnologia do Missouri, foi transferido para a Universidade de Nova Iorque, mas desistiu dos estudos para lançar o Twitter.

Paul Allen

Fundou a Microsoft juntamente com Bill Gates em 1975, com quem estudou no liceu de Lakeside. O milionário, cuja fortuna está avaliada em 16,3 mil milhões de dólares, deixou os estudos na Universidade de Washington dois anos depois de ter entrado, para trabalhar como programador na Honeywell.

Larry Ellison

Com uma fortuna avaliada em cerca de 51,1 mil milhões de dólares, o fundador da Oracle estudou na Universidade de Illionois Urbana-Champaign e na de Chicago, mas não chegou a obter um diploma em nenhuma. Em 1977, ajudou a lançar a startup Software Development Labs, que mais tarde se viria a chamar Oracle.

Sean Parker

É considerado um dos empreendedores com mais sucesso, mas nunca estudou no Ensino Superior. Responsável pelo lançamento da Plaxo, Napster e Airtime, foi o primeiro presidente do Facebook e tem uma fortuna estimada de 3,2 mil milhões de dólares.

Evan Williams

É um dos fundadores do Twitter e tem uma fortuna pessoal avaliada em 31,1 mil milhões de dólares. Um ano depois de entrar para a Universidade de Nebraska-Lincoln, Williams decidiu começar a trabalhar no lançamento de várias startups. Não chegou a acabar os estudos. Em 2012, também criou a plataforma de blogues Medium.

Jan Koum

Criou a aplicação móvel WhatsApp, que foi adquirida pelo Facebook em 2014. Jan Koum tem uma fortuna pessoal avaliada em 7,6 mil milhões de dólares, mas não chegou a concluir os estudos na Universidade do Estado de São José, de onde saiu para trabalhar na Yahoo.