As mudanças no PS começam já esta terça-feira. O partido retirou os projetos apresentados por António José Seguro para alterar a lei eleitoral e ainda o projeto sobre as incompatibilidades de detentores de cargos políticos, que já não serão discutidos quarta-feira na Assembleia da República.

“No domingo o resultado foi muito expressivo. Nada será feito no partido sem ouvir o dr. António Costa. E ele tinha-se pronunciado de forma clara sobre esses projetos, há por isso que retirá-los”, disse aos jornalistas o ainda vice-presidente da bancada parlamentar, Mota Andrade. A decisão de retirar os dois projetos foi tomada por unanimidade da direção da bancada.

Aliás, para a reunião da conferência de líderes parlamentares que vai decorrer esta quarta-feira onde serão discutidos os agendamentos para as próximas semanas, já não estará Alberto Martins a representar o PS, mas Ana Catarina Mendes, que é um dos nomes apontados para a liderança dos deputados socialistas.

As eleições para a direção da bancada vão ser na sexta-feira, os candidatos têm até quinta-feira à tarde para apresentar listas. Além da direção da bancada, há ainda eleições para o conselho de administração do grupo parlamentar e para o conselho fiscal.

Mota Andrade é um dos ainda vice-presidentes da bancada que era apoiante de António José Seguro nas eleições primárias de domingo. Quando questionado sobre quem seria um bom nome para liderar os socialistas no Parlamento, respondeu: “O PS tem muitos bons nomes para liderar a bancada, mas isso competirá ao dr. António Costa”.