Nobel da Paz

Ganhou um Nobel. Mas quem é Kailash Satyarthi?

949

Já retirou mais de 85.000 crianças de esquemas de trabalho infantil e tráfico de seres humanos na Índia. Um quase desconhecido no mundo, este novo "Gandhi" da Índia.

Kailash Satyarthi, 60 anos, ativista dos direitos das crianças.

AFP/Getty Images

Começou a sua carreira como engenheiro, mas aos 26 anos decidiu que o seu projeto de vida ia ser outro: combater o tráfico de crianças e o trabalho infantil na Índia. Kailash Satyarthi, um ativista desconhecido em muitas partes do globo até hoje, comparado com outro grande nome do seu país, Mahatma Gandhi, ganhou o Prémio Nobel da Paz, nesta sexta-feira. Já salvou mais de 85.000 crianças. Mas, afinal, quem é este homem?

Satyarthi nasceu há 60 anos na cidade de Vidisha, localizada a cerca de 50 quilómetros de Bhopal. Estudou engenharia numa faculdade pública, mas aos 26 anos descobriu a sua real vocação. “A minha família queria que eu fosse um engenheiro, mas eu não. Estudei para isso porque eles pediram-me. Mas este trabalho com as crianças: eu tinha de fazer isto”, explicou numa entrevista, citada esta sexta-feira, no jornal Times of India. É pai de duas crianças e mora em Nova Deli.

View image on Twitter

Há quase 35 anos, desistiu da carreira de engenheiro eletrónico para fundar o movimento Save the Childhood (Bachpan Bachao Andolan (BBA), nome original), que tem como objectivo eliminar o tráfico de crianças e trabalho infantil na Índia.

Numa entrevista ao jornal Times of India, há quatro meses, Kailash Satyarthi afirmou: “A minha filosofia é que eu sou um amigo das crianças. Não penso que ninguém as deva ver como objeto de pena e caridade. Isso é uma retórica de pessoas antiquadas. As pessoas associam, muitas vezes, comportamento infantil com estupidez: isto tem de mudar. Algo que eu posso aprender das crianças é a transparência. Elas são inocentes, diretas e não têm preconceitos”.

Satyarthi admira Mahatma Gandhi e, tal como o seu ídolo, já liderou vários protestos pacíficos “contra a exploração das crianças para ganhos financeiros”, contou o comité do Nobel. “A honra é para todos os cidadãos da Índia. Continuarei o meu trabalho pelo bem-estar infantil”, afirmou o ativista, na reação à notícia do prémio, frisando que “a pobreza não deve ser utilizada como desculpa para continuar a existir trabalho infantil”.

 

(Reação do ativista ao prémio.)

Ainda este ano, Kailash Satyarthi afirmou numa entrevista ao jornal Hindustan Times: “Há uns anos, quando começamos a BBA, apercebemo-nos que para combater o trabalho infantil e tráfico de crianças tínhamos de atacar a fonte do problema: as aldeias, dado que 70% das crianças que trabalham provêm das aldeias. Então, decidimos criar um ambiente onde as crianças podem ir quando retiradas dos locais de trabalho, onde podem frequentar a escola, expressarem-se e assegurar que as autoridades as ouvem.”

A BBA criou uma série de “aldeias modelo” nas quais as crianças não são exploradas e são incentivadas a debater temas de direitos humanos, conta o Telegraph. Desde que surgiu este conceito em 2001, a BBA transformou 356 aldeias em “amigas das crianças” ao longo dos 11 Estados da Índia.

As crianças que moram nestas aldeias vão todos os dias à escola e participam na governação local através de grupos de debate e movimentos juvenis. A BBA também trabalha para assegurar que as crianças até aos 14 anos tenham um acesso grátis e de qualidade à educação – que as escolas tenham, por exemplo, infraestruturas adequada às raparigas para que estas não desistam dos estudos.

Não é de estranhar, portanto, que Malala, no seu discurso de reação, tenha contado que esteve ao telefone com Kailash Satyarthi e que decidiram aliar-se numa batalha conjunta “pelos direitos humanos”. Os dois combinaram convidar os primeiros-ministros do Paquistão e da Índia para estarem presentes na cerimónia de entrega do prémio, em dezembro. “É o meu pedido humilde”, explicou Malala.

O jornal britânico Telegraph reparou numa curiosidade: às 10 horas e dois minutos da manhã, o Twitter do ativista tinha 100 seguidores. Passados 30 minutos, tinha 999. Às seis da tarde portuguesas, já tinha 15 mil seguidores. Muitos pessoas, à volta do mundo, querem saber quem é ele.

Em 2005, a estação televisiva norte-americana PBS dedicou-lhe o episódio inaugural da série New Heroes (Novos heróis, em português).

(Episódio de uma série da PBS sobre a organização de Kailash.)

As palavras do comité do Nobel, aquando do anúncio, foram lisonjeadores para Kailash e não ficaram atrás das que dedicaram à jovem paquistanesa Malala Yousafzai, galardoada a meias com o Nobel da Paz.

“Demonstrando grande coragem pessoal, Kailash Satyarthi, mantendo a tradição de Gandhi, encabeçou diversas formas de protestos e manifestações, todas elas pacíficas, focadas na grave exploração de crianças com propósitos financeiros. Ele também contribuiu para o desenvolvimento de convenções internacionais importantes no campo dos direitos humanos”, afirmam os responsáveis da escolha.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições no Brasil

O solipsismo colectivo /premium

Paulo Tunhas

Os missionários de esquerda vivem isolados do mundo numa bolha que generosamente lhes permite uma espécie de solipsismo colectivo. Só eles, como um todo, existem, só eles são dotados de alma.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)