Os dois homens planeiam correr 102 quilómetros em 15 horas, num percurso que os vai levar aos trilhos montanhosos da cidade acabando no principal local dos protestos, junto à sede do Governo.

John Ellis e Andrew Dawson, ambos adeptos de maratonas, explicaram que queriam mostrar solidariedade com os que estão acampados nas ruas para pedir democracia plena para a antiga colónia britânica.

“Queriamos, deliberadamente, fazer este percurso durante muito tempo porque ele é simbólico do que pensamos será uma longa luta que os manifestantes terão pela frente”, disse John Ellis, um australiano de 36 anos que trabalha na área financeira, em declarações à agência AFP, recolhidas durante a madrugada antes da partida.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O movimento pró-democracia de Hong Kong tem sido apelidado de movimento do “guarda-chuva” por ser um elemento importante para os manifestantes se abrigarem do calor e, ao mesmo tempo, ser essencial como instrumento de proteção para eventuais ações com gás pimenta ou lacrimogénio por parte da polícia.