Crise no GES

Os quatros processos crime do BES que o DCIAP está a investigar

O Departamento Central de Investigação e Ação Penal do Ministério Público está a investigar quatro processos distintos que envolvem o BES.

MANUEL DE ALMEIDA/EPA

Enquanto o Tribunal Administrativo de Lisboa já recebeu, pelo menos, três ações contra a divisão do Banco Espírito Santo (BES) em dois, o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) de Lisboa tem em mãos quatro investigações ao caso BES / Grupo Espírito Santo para investigar possíveis crimes nas operações do banco.

Segundo o jornal i, são quatro os processos em investigação:

  1. Os cinco milhões pagos em comissões à família Espírito Santo no negócio dos submarinos.
  2. O investimento de 900 milhões de euros da Portugal Telecom na holding Rioforte.
  3.   O uso da sociedade suíça Eurofin para alegadamente desviar dinheiro do BES para o GES.
  4. Manipulação de contas em holdings do Grupo Espírito Santo depois de o ex-contabilista Machado da Cruz ter revelado que Ricardo Salgado tinha conhecimento desde 2008 de que parte do passivo da ESI não estava refletido nas contas.

As investigações estão a ser levadas a cabo por inspetores da PJ e da Autoridade Tributária sob coordenação do DCIAP, o departamento do Ministério Público responsável por investigar crimes económicos.

Também relacionado com o BES, há o processo Monte Branco no qual o ex-presidente Ricardo Salgado foi constituído arguido por suspeitas de burla, abuso de confiança, falsificação e branqueamento de capitais.

 

 

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)