A administração da Fábrica Adubos de Portugal (ADP) Fertilizantes S.A., apontada como uma das possíveis origens do surto da Legionella, afirma ter cumprido todas as normas de segurança impostas pela lei. Mais. Diz que parou a fábrica por iniciativa própria mal tomou conhecimento do primeiro funcionário infetado.

Em comunicado, a administração da empresa localizada em Alverca, concelho de Vila Franca de Xira, afirma ter parado por “iniciativa própria” as “suas instalações fabris quando tomou conhecimento de que um seu funcionário tinha sido contaminado com a bactéria Legionella”.

“A ADP Fertilizantes S.A. tem cumprido todas as obrigações impostas pela lei quanto à análise e tratamento de águas que utiliza nas suas torres de arrefecimento das fábricas”.

A administração afirma ainda ser alvo de várias inspeções “observando com rigor todas as recomendações”.

“As análises e tratamento de águas usadas nas torres de arrefecimento das fábricas estão a cargo de uma empresa especializada ao abrigo de um contrato que consagra as melhores práticas da indústria”.

No comunicado, a administração da empresa diz ter “consciência” de que cumpriu”as boas práticas em matéria de tratamento de águas”, e que aguarda a “descoberta” da causa de contaminação com a “maior celeridade possível”.

A ADP emprega mais de 400 trabalhadores. Nasceu em em 1997 da fusão das duas maiores empresas adubeiras em Portugal, pertencentes aos grupos Quimigal e Sapec

Os trabalhadores da empresa foram já convocados para um plenário a decorrer pelas 15h00 desta quinta-feira com a Comissão de Trabalhadores e com a Comissão Sindical, depois de estas terem sido ouvidas pela administração.

Três trabalhadores desta fábrica estão internados com Legionella.