436kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Parlamento: o mistério das "raparigas avantajadas"

Este artigo tem mais de 5 anos

A página oficial do Parlamento na internet não tem registo da visita da escola de Vila Franca de Xira de onde terá sido enviada uma carta a Marcelo onde se denunciavam estranhos comportamentos.

O comentador leu em direto uma carta que lhe foi endereçada supostamente por uma estudante de Vila Franca de Xira
i

O comentador leu em direto uma carta que lhe foi endereçada supostamente por uma estudante de Vila Franca de Xira

NUNO VEIGA/LUSA

O comentador leu em direto uma carta que lhe foi endereçada supostamente por uma estudante de Vila Franca de Xira

NUNO VEIGA/LUSA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há mais um mistério a assombrar a Rua de São Bento. Depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter lançado a dúvida sobre a identidade dos deputados que viam imagens de “raparigas avantajadas” no computador em pleno hemiciclo do Parlamento, a escola a que pertenceria a aluna que escreveu ao professor a denunciar a situação não visitou o Parlamento na data referida.

O professor disse, no seu habitual espaço de opinião na TVI, que uma “adolescente de 16 anos, do 11º ano, da Escola Secundária Alves Redol de Vila Franca de Xira” lhe enviara um e-mail, também enviado para o Portal do Governo, em que relatava uma suposta visita à Assembleia da República.

“Deputados o tempo todo no Facebook a ver raparigas avantajadas, outros a assistir a vídeos de quedas, aqueles que se encontram no YouTube para fazer as pessoas rir, uma vez três deles juntaram-se a rir de qualquer coisa no computador, outros a ver mails publicitários”, leu Marcelo da carta que terá recebido da jovem.

Só que, consultando a página de internet do Parlamento, constata-se que, no dia 20 de novembro, não há registo de que turmas da Escola Secundária Alves Redol, em Vila Franca de Xira, tenham estado a assistir à sessão plenária. Nem, aliás, em qualquer outro dia em que tenha sido debatido o Orçamento do Estado – como Marcelo disse que aconteceu. Isso mesmo foi notado por alguns blogues, como, por exemplo, o 365 Forte.

20Nov

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Estarão os deputados nacionais a dedicar o tempo de plenário a ver “raparigas avantajadas” nos seus computadores? A alegação motivou a indignação dos visados. Onde? No Facebook, pois então.

O deputado do PSD Carlos Abreu Amorim manifestava assim, esta segunda-feira, a sua desconfiança para com a história que Marcelo Rebelo de Sousa trouxera no domingo à antena.

Também o deputado socialista José Magalhães escreveu um texto no Facebook em que considera a carta lida por Marcelo como “muito estranha”. Esta terça-feira, o Observador já não conseguiu encontrar o post de José Magalhães na sua página na rede social, mas o deputado, citado pelo DN, comentava que “o prof. Marcelo endossou como verdadeira uma situação impossível, lançando sobre o todo do hemiciclo uma suspeição de conduta imprópria e estúpida”.

“Curioso Tb [também] porque malta a ver tipas avantajadas em dia de Passos orar ou noutro sob olhar de galerias seria bizarria pelo número e diversidade”, ironizou o socialista, que argumentava ainda que “mesmo uma sra. muito avantajada dificilmente se distingue de uma banana, quando vista das galerias.”

Miguel Vale de Almeida, ex-deputado socialista, prefere destacar que a atividade parlamentar “não tem de ser uma performance do século XIX” e que “não há nada de intrinsecamente indecoroso em estar online”.

A instalação de computadores para cada deputado no hemiciclo, por sua vez, já tinha sido polémica. Foi feita nas obras que a sala sofreu entre 2008 e 2009 e foi alvo de críticas, nomeadamente, de deputados do PS, como José Lello, que pelo menos uma vez pediu à Assembleia que estabelecesse regras que impedissem os fotógrafos dos jornais e os operadores de câmara de captarem o que os deputados estavam a ver no computador.

 

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.