Evolução

Revelada a explosão evolutiva das aves depois do fim dos dinossauros

A análise da informação genética de 48 espécies de aves ajudou a criar uma nova árvore evolutiva para este grupo. De umas poucas linhagens iniciais, o grupo das aves tornou-se um dos mais diversos.

As aves diversificaram-se em mais de 10 mil espécies

Sam Greenwood/Getty Images

Como é que de uns quantos ancestrais comuns foi possível dar origem ao mais diverso grupo de animais vertebrados terrestres – as aves? Para encontrar a resposta, que se esconde na genética, um grupo de 200 cientistas ligados a 80 instituições em 20 países juntou-se num consórcio – Avian Phylogenomics Consorcium. O objetivo era tentar analisar e comparar a informação genética de 48 espécies de aves. Da investigação resultaram até ao momento 29 artigos publicados quase em simultâneo, em revista como a Science, Genome Biology, GigaScience entre outras.

Saber por que ordem aparecem os genes no ADN de cada uma das espécies permitiu aos cientistas desenhar a árvore da classe das aves – árvore filogenética – e perceber que, depois da extinção dos dinossauros e de muitas outras espécies há 66 milhões de ano, as linhagens de aves que sobreviveram deram origem a mais de 10 mil espécies. Comparando o genoma de várias espécies foi possível responder a várias perguntas como a evolução dos cromossomas sexuais, a análise do voo a nível molecular, a perda dos dentes ou a aprendizagem vocal, lê-se na página do consórcio.

Passe o rato e clique em cima dos pontos na fotografia para saber mais sobre a investigação realizada. Fotografia: Rodrigo Arangua/AFP/Getty Images

As 48 espécies de aves foram escolhidas de forma a “representarem o melhor possível os grupos que existem”, explicou ao Observador Agostinho Antunes, investigador no Centro Interdisciplinar de investigação Marinha e Ambiental (Ciimar). “A ideia era ter os grandes grupos, mas também as espécies que têm características únicas, que têm interesse económico ou que servem de modelos na saúde humana.” O investigador revelou que há intenções de que se aumentem o número de espécies analisadas no futuro.

Quando comparado o material genético das aves com o dos répteis, os investigadores verificaram que o ADN das aves tem menos sequencias repetidas e que perderam centenas de genes durante a evolução, lê-se no comunicado de imprensa do Ciimar. Este genoma “mais leve” ou “mais compacto” aparece sobretudo nas aves que voam, explicou Agostinho Antunes e pode ter uma relação funcional direta com o voo visto que o genoma dos morcegos também é mais compacto quando comparado com o dos outros mamíferos.

1251385fig1-2

Árvore evolutiva das aves: os nós ligam linhas que representam grupos relacionados. Quanto mais à direita estiver o nó, mais recente é a divergência dos dois grupos – Zhang et al., Science/AAAS

A equipa de nove investigadores liderada por Agostinho Antunes inclui investigadores do Ciimar, Faculdade de Ciências e Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, todos ligados à Universidade do Porto. O foco foi em particular no estudo de determinadas famílias de genes que permitem explicar porque é que as aves têm um esqueleto mais leve, como desenvolveram a visão a cores, onde se originam os padrões de coloração das penas ou a imunidade e resistência a doenças, conforme referido em comunicado de imprensa.

A colaboração internacional é liderada por Guojie Zhang do Banco Nacional de Genes (BGI) na China, Erich Jarvis, da Universidade de Duke nos Estados Unidos da América, e Thomas Gilbert do Museu de História Natural da Dinamarca. Para Guojie Zhang o mais difícil não foi a sequenciação genética dos genomas, que se fez em seis ou sete meses, mas o processamento de todos os dados que levou mais três anos e meio, referiu The Scientist. A equipa teve de desenvolver novos algoritmos que lhe permitisse analisar todos os dados que tinham, mas mesmo assim, se o trabalho tivesse sido feito num único computador, levaria cerca de 400 anos a estar finalizado.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)