Joana Vasconcelos

Galo de Barcelos com sete metros em azulejo vai celebrar 450 anos do Rio de Janeiro

Um galo de Barcelos revestido a azulejos, com sete metros, criado pela artista Joana Vasconcelos, vai ser inaugurado a 10 de junho de 2015, no Rio de Janeiro, nos 450 anos da fundação da cidade.

LUSA

Intitulada “Pop Galo”, a peça foi hoje apresentada nos Paços do Concelho, em Lisboa, com a presença da artista, pelo presidente da autarquia, António Costa, pelo presidente do Comitê Rio450, Marcelo Calero, e pelo embaixador do Brasil, Mário Vilalva.

A artista explicou que tinha sido convidada pelo Comité Rio450 para criar uma obra de arte pública original e emblemática da relação entre Portugal e o Brasil, para assinalar a efeméride, em 2015.

Como em trabalhos anteriores, inspirados nas tradições e artesanato portugueses, Joana Vasconcelos optou por recriar o tradicional galo de Barcelos, “um dos símbolos inegáveis da cultura portuguesa”.

“A obra faz a ponte entre a tradição e a modernidade, e entre Portugal e o Brasil”, comentou a artista, acrescentado que terá duas leituras: uma durante o dia, quando o galo mostra os azulejos que o revestem, e uma noturna, quando se acendem milhares de luzes LED que irão cobrir a peça.

Por seu turno, o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, disse, na cerimónia, que era “um enorme orgulho” participar nas celebrações dos 450 anos da fundação do Rio de Janeiro, “uma cidade irmã”, apontando que, “se os brasileiros ouvem o fado, os portugueses ouvem a bossa nova e o samba”.

“A redescoberta desta nossa História comum é muito inspiradora, sobretudo num momento em que as pessoas sentem descrença e parecem ter perdido a confiança e a fé. Mostra sempre que, quando tudo parecia perdido, se encontrou uma solução, e a verdade é que encontrámos essa solução partindo à descoberta”, disse o autarca.

Apontou que o Galo de Barcelos é uma “metáfora” para a relação com o Brasil e sublinhou ainda que os laços se mantêm através da presença dos portugueses naquele país, e de brasileiros em Portugal, e também com as relações económicas.

Marcelo Calero, presidente do Comité Rio450, sublinhou igualmente essas relações entre os dois países e disse que o Galo de Barcelos, criado com o apoio de empresas portuguesas, “é um presente bastante relevante e muito simbólico, cheio de significado”.

“O Rio de Janeiro é uma cidade profundamente portuguesa, na maneira de falar, na arquitetura e nas tradições”, sublinhou o responsável, apontando o nome de Joana Vasconcelos como emblemático da “força artística contemporânea de Portugal”.

Joana Vasconcelos, 42 anos, nascida em Paris, mas a residir em Lisboa e com ateliê na capital portuguesa, sublinhou ainda a importância das parcerias com empresas nacionais, nomeadamente a Azeite Galo, que também está presente no Brasil.

A obra será inaugurada a 10 de junho, na Praia do Leme, onde ficará “pelo menos durante o ano das celebrações” e depois será a prefeitura do Rio de Janeiro a decidir se ficará no mesmo local, indicou a artista.

Em 2012, Joana Vasconcelos, tornou-se na primeira mulher e criadora mais jovem a expor algumas das suas obras no Palácio de Versailles, em Paris.

Representou oficialmente Portugal na Bienal de Arte de Veneza 2013, num projeto comissariado por Miguel Amado, que levou um cacilheiro transformado em obra de arte ao recinto principal da mostra internacional contemporânea.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

O medo da liberdade /premium

Paulo Tunhas

O que esta nova esquerda busca não se reduz ao desenvolvimento de um Estado tutelar. É algo que visa a perfeita eliminação da sociedade como realidade distinta do Estado. Basta ouvir Catarina Martins.

25 de Abril

Princípio da União de Interesses

Vicente Ferreira da Silva

O nosso sistema de governo promove desigualdades entre os cidadãos, elimina a responsabilidade dos titulares de cargos públicos e limita as liberdades, os deveres e os direitos fundamentais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)