Em todas as histórias sombrias com vilões ao barulho, aparecem também novos heróis. É esse o fado de Lassana Bathily, o homem que salvou a vida a sete clientes que estavam no supermercado tomado por Amedy Coulibaly. Enquanto o sequestrador, que mataria quatro reféns, dizia coisas aos reféns como “se não nos atacassem, nós não vos atacávamos”, Bathily escondia clientes numa câmara frigorífica, conta o Guardian.

“Quando eles vieram a correr, eu abri a porta do frigorífico. Alguns entraram comigo. Eu apaguei a luz e o frigorífico. Quando desliguei o termóstato, meti-os lá dentro; fechei a porta. Disse-lhes para estarem calmos e disse [também] ‘fiquem aqui sossegados, vou voltar lá para fora”, contou depois Bathily. A batalha dos que estavam escondidos foi contra o frio (enfrentaram -3º, conta o Daily Mail). Bathily conseguiria depois fugir por um elevador…

Essa fuga, digna de filme, intrigou a polícia, que no início pensou que este jovem de 24 anos seria cúmplice dos terroristas. “Eles [polícia] disseram-me ‘deita-te no chão, mãos atrás da cabeça’. Algemaram-me e mantiveram-me detido durante uma hora e meia, como se eu estivesse com eles [terroristas]”, contou. Livre de perigo, Bathily ajudou a polícia, explicando os cantos e recantos do supermercado, assim como onde estavam escondidos os clientes.

Há uma curiosidade interessante nesta história. Lassana Bathily, funcionário do supermercado, é muçulmano e nasceu no Mali, um país que tem enfrentado violentas investidas jihadistas. Perante a inércia da comunidade internacional, que preferia ver uma força africana a agir, François Hollande enviou tropas para o país para lidar com os extremistas. Em novembro de 2013, dois jornalistas franceses foram raptados e encontrados mortos mais tarde. Na marcha que juntou mais de um milhão de pessoas e 40 líderes mundiais nas ruas de Paris, Hollande caminhou de braço dado com Boubacar Keita, o presidente do Mali, o que é tudo menos coincidência. Bathily voltou também ele a criar uma ponte entre ambos os países e contribuiu para um final menos trágico.

“Quando eles saíram [os reféns que ajudou], agradeceram-me”, contou Bathily. O africano ajudou sete pessoas, entre elas um bebé. O jovem mereceu ainda um telefonema de François Hollande, conta o France 24. Também o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, endereçou umas palavras a Bathily: “Quero expressar a minha gratidão para com o cidadão do Mali que ajudou a salvar sete judeus.”

Existe já uma página de Bathily no Facebook, com mais de 16 mil seguidores. Por aqui podem ver-se publicações a agradecer ao emigrante, assim como fotografias da marcha. Nas redes sociais há também muita gente a pedir uma medalha para o maliano, recorrendo à hashtag “#UneMedaillePourLassana”. Também a famosa escritora J.K Rowling, com mais de quatro milhões de seguidores, escreveu sobre Bathily (ver em baixo).

https://twitter.com/ElBaghyMonster/status/553958072683855872