Rádio Observador

Coligação

Ministro do Ambiente deixou o recado: reforma no IRS só foi possível graças a ‘impostos verdes’

No dia em que se fala da reforma do IRS, incluindo Paulo Portas, Moreira da Silva lembra "quem se esquece" que a descida do imposto só foi possível por causa da fiscalidade verde.

Moreira da Silva escreveu mensagem no Facebook, depois de Paulo Portas

PAULO CUNHA/LUSA

O ministro do Ambiente deixou esta terça-feira um recado àqueles que se apressaram a “festejar” e a “elogiar” a descida do IRS. Jorge Moreira da Silva não gostou de só ouvir falar da reforma do IRS e lembrou que “não haveria descida do IRS”, “sem a fiscalidade verde”. Esta mensagem, publicada na página de Facebook do ministro, surgiu pouco tempo depois de Paulo Portas ter elogiado a descida no IRS e não ter falado da reforma dos impostos verdes.

Lidas as notícias, hoje, muitos se apressaram a festejar, e outros a elogiar, a descida do IRS, pelo efeito do novo quociente familiar, com efeitos imediatos na retenção mensal na fonte. Também eu me congratulo. Luto por isto há muito tempo. Com uma diferença: eu não esqueço, nem omito, aquilo que permitiu esta descida”, escreveu Moreira da Silva, referindo-se ao novo regime de fiscalidade verde.

Moreira da Silva não identificou as “notícias” a que se referia nem as críticas, mas o que é certo é que horas antes o vice-primeiro-ministro tinha falado da reforma do IRS e fez aquilo que o ministro do Ambiente se queixa: não falou da fiscalidade verde, omitiu-a. A reforma do IRS foi motivo de negociações entre os parceiros da coligação, com o CDS a puxar para si os louros da reforma pela voz tanto de Paulo Portas como do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais centrista, Paulo Núncio. E a propósito do novo regime de tributação, Portas afirmou de manhã que

Para quem lutou pelo quociente familiar durante pelo menos oito anos, acho que é um sinal bastante importante de política familiar no centro da política fiscal”.

Com a entrada em vigor do novo regime do IRS, onde entra o quociente familiar, as famílias com filhos que tenham menos rendimentos têm um desagravamento fiscal, assim como as famílias monoparentais com filhos.

Ora, o que defende Jorge Moreira da Silva é que só foi possível introduzir esta medida graças à reforma da fiscalidade verde, “que tantas críticas” mereceu e que foi uma das prioridades do ministro desde que foi chamado para o Governo com a divisão do superministério de Assunção Cristas em dois. “É uma pena que (…) se continue a omitir que é a fiscalidade verde e apenas a fiscalidade verde, com o montante de 150 milhões de euros, que financia integralmente a descida do IRS (…) Será intelectualmente honesto continuarmos a criticar a fiscalidade verde e elogiar a descida do IRS?”, questionou o governante. Moreira da Silva dava assim uma resposta às críticas que têm vindo a ser feitas desde que a reforma foi apresentada, sobretudo pelo lado do PS.

O ministro fez também questão de destacar que a criação do novo regime de fiscalidade “configura uma mudança de paradigma” e uma “reforma estrutural” com o objetivo maior de reduzir a “dependência energética” e a “ineficiência na utilização de recursos”, o que terá efeitos positivos na diminuição do défice e da dívida pública, acredita. O ministro disse mais: “Não estamos a falar de descida de impostos, nem de tentações eleitoralistas – disso estamos vacinados”, disse.

A publicação das tabelas de retenção na fonte, esta segunda-feira, motivou as declarações dos governantes e serviu para que Paulo Portas elogiasse o crédito fiscal. Disse Portas que a sobretaxa aplicada aos rendimentos dos contribuintes poderá ser devolvida. O vice-primeiro-ministro, lembrou, ainda, que a “sobretaxa sempre foi excecional, aconteceu num determinado momento, por uma determinada circunstância”e que, portanto, “cada euro de receita a mais — e tem acontecido ao longo dos anos haver excedente de receita face ao previsto — fica integralmente dedicado à devolução da sobretaxa”.

Além de Moreira da Silva, estas palavras de Portas mereceram também um comentário de Marco António Costa, vice-presidente do PSD. Em conferência de imprensa esta tarde, o número dois dos social-democratas disse apenas que “o vice-primeiro-ministro afirmou o que já é público”, ou seja, “que se os objetivos fiscais forem ultrapassados poderá verificar-se a devolução na totalidade da sobretaxa”. “O Governo e a maioria não estão de braços cruzados espera de eleições”, lembrou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assembleia Da República

Atentados às crianças /premium

Maria João Marques

Não vejo bem como defender um quadro legal que permite que o agressor continue a contactar a vítima criança, muitas vezes usando-a para atormentar a mãe (o que também atormenta a criança).

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)