Em ano de eleições legislativas, são as presidenciais de 2016 que dão que falar. Desta vez é o nome de Rui Rio que surge como disponível para entrar na corrida a Belém, mas só se puder contar com o apoio do PSD. E se outros nomes apontados como possíveis candidatos, como Marcelo Rebelo de Sousa e Pedro Santana Lopes, não se candidatarem.

O Diário de Notícias cita fontes próximas do ex-presidente da Câmara do Porto, que reiteram a disponibilidade de Rio Rio para substituir Cavaco Silva. Mas só o fará se tiver a certeza que tem condições para ganhar. No entanto, uma das condições da candidatura pode não se cumprir, uma vez que Santana Lopes parece disposto a entrar na corrida. O mesmo relato acrescenta que, se entrasse nas presidenciais, Rio não se candidataria à liderança do PSD, caso o partido perca as eleições legislativas e vá a eleições internas.

Em discurso direto, Rui Rio já tinha admitido candidatar-se a Belém. Em julho do ano passado, por exemplo, o ex-presidente da Câmara do Porto disse que se sentir “um movimento grande” em torno da sua candidatura, “é evidente que dificilmente uma pessoa pode defraudar as pessoas e fugir”, disse à Rádio Renascença.

Ontem, o semanário Expresso publicou uma sondagem segundo a qual António Vitorino, à semelhança de António Guterres, é uma figura à esquerda capaz de derrotar eventuais candidatos ao Palácio de Belém por parte da direita como Marcelo Rebelo de Sousa, Rui Rio e Santana Lopes, os nomes mais falados.