Rádio Observador

Mundo

Modelos em topless voltaram à Página 3 do Sun

Os feministas festejaram, as modelos protestaram e os jornais escreveram muito sobre o fim da Página 3 com 44 anos. Agora, o Sun vem repôr a tradição - e pedir desculpa a quem escreveu o contrário.

Com a Página 3 desta semana, o Sun desmente que tivesse acabado

The Sun

Desde o início da semana que os jornais britânicos se multiplicam em notícias e artigos de opinião sobre o fim da Página 3 do diário The Sun – cujo conteúdo incluía uma modelo em topless desde os anos 70. Esta quinta-feira, “Nicole, 22 anos, de Bournemouth” aparece despida da cintura para cima com um pedido de desculpas a todos os jornalistas que andaram a escrever sobre o assunto.

Na coluna “Clarificações e Correções”, onde está incluída a fotografia, aparece também o esclarecimento. “Na sequência dos relatos recentes em todos os outros meios de comunicação, gostaríamos de esclarecer que esta é a Página 3 e esta é uma imagem de Nicole, 22 anos, de Bournemouth. Gostaríamos de pedir desculpas aos jornalistas de imprensa, rádio e televisão, que passaram os últimos dois dias a falar e escrever sobre nós.”

E para que o assunto não passasse despercebido fizeram mesmo uma chamada de primeira página: “Tivemos um lapso mamário.”

Mammary lapse

A ausência das imagens características da Página 3 era uma situação desvalorizada pelo Sun, que se recusou a prestar declarações a outros jornais, como o Guardian, e o próprio relações públicas do jornal brincou com a situação dizendo que a Página 3 continuava no mesmo sítio onde sempre tinha estado – entre a página 2 a página 4. Agora, na conta do Twitter, publica um ‘eu bem avisei’. “Eu disse que era especulação e para não confiarem em pessoas que não estivessem ligadas ao Sun. Há muitas pessoas que estão prestes a parecer patetas…”

A ausência de modelos em topless desde o início da semana, ainda que na segunda-feira aparecesse uma modelo em lingerie e na terça-feira duas atrizes em biquíni, levou, por um lado, aos festejos dos movimentos feministas, nomeadamente “No More Page 3“, por outro, às declarações de várias modelos que já tinham posado para o jornal a defenderem que a coluna se mantivesse.

O movimento feminista agradece mesmo assim a publicidade que conseguiu e promete que a luta vai continuar.

A origem da Página 3

Rupert Murdoch, presidente executivo do grupo News Corp que detém o jornal Sun, foi o responsável pelo início da publicação de um modelo na Página 3 nos anos 1970, mas recentemente têm-se manifestado contra este formato porque o considera desapropriado.

Mas Vic Giles, antigo diretor artístico do Sun, explicou ao Guardian qual a verdadeira origem desta ideia. Diariamente Giles mostrava todas as páginas criadas ao editor Larry Lamb e um dia lembrou-se de fazer uma brincadeira que deu origem ao modelo que dura há 44 anos.

“[Um dia, no início dos anos 1970] Rupert Murdoch estava sentado na cadeira do editor enquano o Lary estava reclinado num lugar no outro lado da sala. Levantei a página normal totalmente desenhada para que Rupert pudesse vê-la. Ele disse: ‘Ótimo Vic.’ Depois pus a minha versão divertida – o topless – para que ambos pudessem ver. O Larry gritou imediatamente: ‘Não, isso vai-nos fazer perder leitores.’ Mas o Rupert disse: ‘Gosto. Vamos publicar.’ No dia seguinte o Rupert apareceu ao meu lado: ‘Continua com esse estilo na Página 3, para sempre’. No final da semana os números de circulação estavam a subir a um ritmo fantástico e continuaram a fazê-lo.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)