Manifestantes protestaram na sexta-feira na cidade brasileira de São Paulo contra o aumento do preço dos bilhetes dos transportes públicos, tendo a polícia recorrido a gás lacrimogéneo e balas de borracha para dispersar o protesto em que ficaram feridas três pessoas.

A manifestação reuniu cerca de 15.000 pessoas segundo a organização e 1.200 de acordo com as autoridades.

Segundo a imprensa, três pessoas ficaram feridas, incluído um jornalista de o Estado de São Paulo, e quatro manifestantes foram detidos.

Cerca de 1.100 polícias foram mobilizados para o protesto.

A manifestação, à semelhança de outras três realizadas este mês, foi convocada pelo Movimento Passe Livre (MPL), que defende a gratuitidade dos transportes.

No dia 10 deste mês, uma manifestação reuniu cerca de 30.000 pessoas no Rio de Janeiro e em São Paulo, segundo os organizadores.

Este mês o preço do bilhete de autocarro passou, em São Paulo, de três reais para 3,5 reais (1,16 euros), enquanto a inflação anual foi fixada em 6,4%.

O MPL iniciou, em junho de 2013, iniciou protestos contra o aumento das tarifas dos autocarros. As manifestações chamaram a atenção de pessoas com interesses diversos, desde melhorias na educação, na saúde e contrárias à realização do Mundial2014, e chegaram a reunir dois milhões de participantes em diferentes cidades pelo país.