Rádio Observador

Eleições na Grécia

António Costa: Vitória do Syriza reflete fracasso da austeridade na Europa

343

António Costa congratula a Grécia pelas eleições que "obrigaram a Europa a refletir". E vê na vitória do Syriza "um sinal de mudança" que mostra como a austeridade "fracassou" enquanto estratégia.

António Costa falou na Feira do Fumeiro em Montalegre

JOSÉ COELHO/LUSA

O secretário-geral do PS, António Costa, considerou no domingo à noite que a vitória do Syriza nas eleições na Grécia é “mais um sinal” da mudança da orientação política que está em curso na Europa. “É mais um sinal da mudança da orientação política que está em curso na Europa, do esgotamento das políticas de austeridade e da necessidade de termos uma outra política que permita fazer com que a moeda única seja efetivamente uma moeda comum”, disse em declarações aos jornalistas em Seia.

Para o líder nacional do PS, a Europa tem que ter “uma moeda que gere ganhos para todos os povos e todos os países e todas as economias da zona euro e que não seja uma moeda que, como tem acontecido, provoque resultados muito assimétricos com grandes benefícios para alguns e uma enorme pressão e austeridade para todos os outros”.

“Acho que temos que ter uma Europa de novo solidária e com uma moeda que seja partilhada nos ganhos, nas exigências, por todos”, referiu.

Nas declarações aos jornalistas, António Costa saudou ainda o povo grego “por ter sabido preservar o bem mais precioso que existe na Europa, que é a democracia, e tendo sido capaz de resistir a todas as pressões, aos distrates e ter sabido escolher livremente e democraticamente o caminho que quer seguir”.

“Acho que é essencial recordar às instituições europeias que o princípio fundamental da União Europeia é o de igualdade de todos os Estados-membros. E, portanto, a União Europeia tem que respeitar as decisões da Grécia como as decisões de todos os outros Estados-membros e a Europa deve, solidariamente, responder a esta mudança”, acrescentou.

E é fundamental não desperdiçar a moeda, que é uma vantagem para a União Europeia, mas que só é uma vantagem para a União Europeia, e só funcionará, quando funcionar de uma forma equilibrada”, sustentou.

António Costa, que falava aos jornalistas em Seia, antes de participar no jantar de Reis promovido pela Federação Distrital do PS da Guarda, referiu ainda que o resultado obtido pelo partido socialista da Grécia é “muito em linha com o que já tinha tido nas eleições anteriores”.

Ainda antes de se conhecerem os resultados das eleições, António Costa já tinha frisado que já havia notas “indiscutíveis” a tirar do sufrágio grego: “A existência destas eleições já obrigou a Europa a refletir e os pequenos sinais que têm surgido, seja do Banco Central Europeu, seja da Comissão, são primeiros sinais de que há consciência de que é necessário mudar de direção e de como quem persiste como o nosso Governo em seguir no caminho que tem sido seguido está errado e temos que fazer a mudança também em Portugal que está a ser feita no conjunto da Europa”, disse, à margem de uma visita à Feira do Fumeiro de Montalegre, no distrito de Vila Real.

Já nessa altura, Costa tinha sublinhado que era hoje “claro” na Europa que a “política de austeridade fracassou como estratégia, quer de relançamento da economia, quer de consolidação orçamental” e que será preciso “encontrar uma nova orientação”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)