O partido Syriza, vencedor das eleições de domingo na Grécia, vai ter 149 deputados no parlamento e o seu aliado de governo, o Gregos Independentes, 13, totalizando 162 dos 300 assentos, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo Ministério do Interior. A contagem dos votos ainda não tinha terminado quando Alexis Tsipras, líder do Syriza, tomou posse como primeiro-ministro às 16h00 locais (14h00 em Lisboa), segundo o Ministério.

O Syriza obteve 36,34% dos votos, mais 8,53 pontos percentuais do que o partido conservador do primeiro-ministro cessante Antonis Samaras, o Nova Democracia, que obteve 27,81%, elegendo 76 deputados. O partido Gregos Independentes, da direita nacionalista, ficou em sexto lugar com 4,75% dos votos e 13 deputados. O terceiro partido mais votado foi a formação neonazi Aurora Dourada, do qual vários dirigentes estão em prisão preventiva, com 6,28% dos votos e 17 deputados.

Em quarto lugar ficou o To Potami (O Rio), um partido criado em abril de 2014 por um conhecido jornalista da televisão grega, que obteve 6,05% dos votos e elegeu 17 deputados. O KKE (comunista) surge em quinto lugar com 5,47% e 15 deputados e, em último lugar, a seguir ao Gregos Independentes, o Partido Socialista grego (PASOK), com 4,68% e 13 deputados.

O novo partido fundado pelo ex-primeiro-ministro socialista Georges Papandreou, filho do fundador do PASOK e também ex-primeiro-ministro Andreas Papandreou, obteve apenas 2,44% dos votos, ficando aquém do mínimo de 3% necessário para ter representação parlamentar. Será a primeira vez em 80 anos que não há nenhum Papandreou no parlamento grego. Segundo os dados do Ministério do Interior grego, havia 9.911.495 eleitores inscritos, 63,87% dos quais votaram.