Turismo

Turismo fluvial no Douro alcança os 600 mil passageiros em 2014

Pequenas embarcações, cruzeiros de um dia ou barcos hotéis são os protagonistas de uma história feliz: em 2014 passaram pela Via Navegável do Douro mais 45 mil passageiros do que no ano anterior.

As embarcações marítimo-turísticas passaram de um total de 86 em 2013 para as 92 em 2014

ESTELA SILVA/LUSA

O ano de 2014 foi dos melhores de sempre para o turismo na Via Navegável do Douro (VND), por onde viajaram cerca de 600 mil passageiros em pequenas embarcações, cruzeiros de um dia ou barcos hotéis. Segundo dados fornecidos esta sexta-feira pela Delegação do Douro do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), em 2014 passaram pela via navegável 600 mil passageiros, mais 45 mil do que no ano anterior. O bom desempenho registou-se em todos os segmentos de negócio ligados ao turismo fluvial.

Os cruzeiros na mesma albufeira representam 64% da totalidade de passageiros da VND, movimentando cerca de 400 mil pessoas em 2014. Trata-se de viagens com duração variável, de meia ou uma hora, e que se concentram principalmente nas zonas do Porto-Gaia, e depois também, em menor escala, em Entre-os-Rios, Régua, Pinhão, Foz do Sabor e Pocinho. Na sua maioria são os estrangeiros que mais optam por estas viagens (57%). Incluído neste tipo de cruzeiros, os passeios noturnos apresentaram um aumento de 40,6%, para os 26.791 passageiros.

Aquele que é considerado o produto mais exportador do rio Douro, o barco hotel, sofreu um aumento de mais de 30%, alcançando os 55 mil passageiros. Para este aumento contribuiu a entrada de mais duas embarcações hotel na VND, subindo dos 11 para os 13 barcos. A maior parte dos passageiros que opta por viajar a bordo destas embarcações é proveniente dos Estados Unidos da América (29%), seguindo-se a França (19%) e o Reino Unido (13%).

Depois, os cruzeiros de um dia ultrapassaram os 160 mil passageiros, registando um aumento de 6% comparativamente a 2013. Estes barcos navegam principalmente nos trajetos Porto-Régua-Porto, Régua-Pinhão-Régua e Régua-Barca d’Alva-Régua e a esmagadora maioria dos seus passageiros é portuguesa (93%). Segundo o IMT, a navegação de recreio contabilizou também um aumento de 6% relativamente a 2013, com cerca de seis mil passageiros. No entanto, relativamente a este segmento o instituto ressalva que apenas são contabilizadas as embarcações que utilizam eclusas de navegação.

Em 2014, começaram a cruzar as águas do Douro mais embarcações marítimo-turísticas, passando de um total de 86 em 2013 para as 92 em 2014 (com lotação para 6.666 passageiros). Em 2010 operavam neste rio 58 embarcações. Verificou-se também um ligeiro aumento a nível das empresas que operam na VND, estando atualmente registadas 36, mais uma do que no ano anterior. Para o IMT, o número de empresas que laboram neste rio revela o “esforço e a dinâmica que o destino Douro pode proporcionar”.

Por fim, no que concerne à navegação comercial, dos portos comerciais de Sardoura e Várzea do Douro, registou-se uma diminuição de cerca de 50% comparativamente com o ano transato, tendo-se ficado pelas 20 mil toneladas de granito. Em 2013, foram transportadas mais de 50 mil toneladas deste material que é destinado à exportação.

A Via Navegável do Douro foi inaugurada em toda a sua extensão em 1990. São 210 quilómetros desde Barca d’Alva até ao Porto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)