Rádio Observador

Dinamarca

Tiroteio junto a local onde decorria debate em homenagem ao Charlie Hebdo

Dezenas de tiros soaram hoje no exterior de um edifício em Copenhaga, onde decorria um debate sobre o islamismo e a liberdade de expressão, com a participação do embaixador de França.

O polémico artista sueco, Lars Vilks, ficou conhecido por ter caricaturado Maomé em 2007 e poderá ter sido o alvo

AFP/Getty Images

Uma vítima mortal de 40 anos e três polícias feridos foi o resultado de dezenas de disparos de arma de fogo contra um edifício onde decorria um debate sobre “arte, blasfémia e liberdade de expressão” em Copenhaga, na Dinamarca. O evento decorria este sábado em homenagem ao semanário francês Charlie Hebdo, atacado em janeiro por dois suspeitos com ligações terroristas. Neste caso, foram também dois os atiradores que fugiram num carro Volkswagen e ainda se encontram em fuga.

Os dois suspeitos não conseguiram entrar no edifício porque havia um detetor de metais à entrada. Aliás, os polícias feridos encontravam-se naquele local. Segundo o Le Monde, terão sido disparados cerca de 30 disparos. A dupla fugiu de carro e a viatura foi encontrada pouco depois, mas ainda não há sinal dos suspeitos.

Já se fala em ataque terrorista

O polémico artista sueco, Lars Vilks, que ficou conhecido por ter caricaturado Maomé em 2007 era um dos convidados da conferência. Vilks já foi ameaçado de morte várias vezes e tem proteção policial. No ano passado uma mulher foi condenada a 10 anos de cadeia por ter feito um plano de morte para Vilks. Em 2010, dois irmãos tentaram incendiar-lhe a casa. E agora, dizem as autoridades, ele também seria o alvo deste ataque.

Também o embaixador francês na Dinamarca, François Zimeray, estava no local como convidado, mas deixou imediatamente uma mensagem na rede social Twitter onde dizia: “Ainda vivo na sala”. Seguiram-se vários comentários, alguns de jornalistas a tentar marcar uma entrevista.

O ministro dos negócios estrangeiros francês, Laurent Fabius, já condenou o tiroteio e disse tratar-se de um “ataque terrorista”. Também o presidente François Hollande já emitiu um comunicado a exprimir toda a sua “solidariedade” à Dinamarca.

Segundo a NBC, Inna Shevchenko, a líder ucraniana do movimento feminista FEMEN, também estava no evento. Na rede social Twitter testemunhou não ter visto “nada”. Mas afirma que ouviu os tiros no momento em que se falava de “liberdade de expressão na Europa”.

 

 

 

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)