Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nigéria e Chade lançaram ataques aéreos de larga escala contra o grupo terrorista Boko Haram na região de Borno, situado no noroeste da Nigéria. O ataque acontece após o grupo se ter aliado ao Estado Islâmico. A aliança foi conhecida através de uma mensagem da rede social twitter que jurava lealdade ao Estado Islâmico, diz o jornal inglês Daily Mail.

Desde o início da operação deste domingo, já foram mortos cerca de 300 militantes do grupo terrorista Boko Haram, mas ainda não existe confirmação do número exato de mortos.

Os ataques constituem uma nova investida na tentativa de erradicação do grupo terrorista, que subsiste na Nigéria desde há seis anos.

A operação militar recuperou a cidade de Damasak, na região de Bosso, que foi tomada pelo grupo em novembro do ano passado para facilitar as entradas no país, diz o canal de televisão brasileiro Globo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A região de Fatouri na região de Bosso também foi libertada pelas tropas.”Expulsamos o inimigo destas áreas que estão agora sob o nosso controlo”, diz um dos militares à Reuters África.

Cerca de 30 soldados nigerianos e chadianos foram mortos, no contexto da operação para recuperar as cidades de Damasak e Fatouri.

Mais de 200 veículos que incluem tanques de guerra, ambulâncias, tanques de água e camiões de transporte, foram vistos na madrugada deste domingo a encaminharem-se em direção à fronteira da Nigéria onde se localiza a região de Bosso, disse a rádio Anfani com base em Diffa, cidade fronteiriça em Borno, ao Daily Mail.

Pouco tempo depois de ter sido testemunhada a movimentação dos veículos, “ouviram-se grandes explosões de disparos e ataques aéreos”, diz uma testemunha residente em Diffa ao canal norte-americano CNN.

Edgard Alain Mebe Ngo’o, ministro da defesa da República dos Camarões, país que faz fronteira com a Nigéria e Chade, afirmou que as tropas da Nigéria e do Chade iriam combater o Boko Haram enquanto os soldados dos Camarões e Nigéria iriam proteger as fronteiras para não permitir que militantes do grupo terrorista escapassem, segundo o canal de televisão norte-americano CBC News.

Neste sentido, afirmou que vários residentes em zonas de potenciais conflitos foram avisados para deixarem as suas casas.

Os Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e União Europeia juntam-se a este combate ao grupo terrorista na Nigéria e Chade. Em conjunto, já foram reunidos 8,750 soldados, segundo a CBC News.

O ataque ao Boko Haram acontece poucas semanas antes das eleições na Nigéria, que muitos temem que se tornem violentas.