Um tiroteio no Palácio da Justiça, no centro histórico da cidade de Milão, em Itália, causou pelo menos quatro mortos e dois feridos, um deles em estado grave. O atirador, um arguido num caso de falência, começou a disparar à entrada de uma das salas de audiência, localizada no terceiro piso, refere o Guardian. De acordo com a imprensa italiana, o indivíduo trata-se de Claudio Giardiello, acusado de falência fraudulenta.

Marcello Ilia, advogado, disse à France-Presse que o tiroteio começou “de repente”. “De repente ouvimos três ou quatro tiros. Tentámos perceber o que estava a acontecer. De repente havia imensos agentes da polícia que nos disseram para não abandonarmos a sala, fecharam-nos lá”, relatou à agência de notícias. “Passados alguns minutos, saímos. Disseram-nos que alguém, de fato e gravata, estava armado dentro do edifício”.

Segundo o Mirror, Giardiello ter-se-á barricado no edifício, conseguindo depois fugir. Foi apanhado pela polícia enquanto tentava escapar de mota, na zona norte da cidade, confirmou o Ministro do Interior italiano, Angelino Alfano. O indivíduo encontra-se atualmente numa esquadra policial.

Valerio Maraniello, antigo advogado de Giardiello, descreveu o atacante como “uma pessoa agressiva” e um “pouco paranoica”. “Estava sempre convencido que as pessoas estavam a tentar enganá-lo. Nunca seguia um conselho”, disse à France-Presse, acrescentando que não estava surpreendido com o ataque.

Um oficial do tribunal confirmou à Reuters que uma das vítimas era um juiz. Segundo informações divulgadas pelo presidente do Tribunal de Apelo, tratar-se-ia de Fernando Ciampi, um juiz de insolvência natural de Milão. Entre as quatro vítimas mortais, encontra-se ainda o advogado Lorenzo Alberto Claris Appiani.

Uma das vítimas foi encontrada sem quaisquer ferimentos. Uma primeira reconstituição do acidente aponta para que tenha morrido de ataque cardíaco, refere o jornal italiano La Reppublica. Desconhece-se a sua identidade.

Já está a decorrer uma investigação para tentar apurar como é que Giardiello terá conseguido entrar armado no Palácio da Justiça, informou o presidente da Câmara Municipal de Milão, Giuliano Pisapia. De acordo com o Mirror, um dos detetores de metais poderia estar avariado.