RTP

RTP acaba com políticos comentadores

4.754

Os espaços de comentário de políticos, vistos como "tempo de antena", vão terminar, garante o novo diretor de informação da televisão pública. Mas isso não significa o fim do debate político na RTP.

ANT

A RTP vai deixar de ter políticos comentadores, assegurou Paulo Dentinho, o novo diretor de informação da televisão pública, ao Observador. Os “espaços singulares” de comentário, diz Dentinho, funcionavam como “tempo de antena”, uma realidade que não existe na maior parte dos países europeus, como França ou Inglaterra. Daí a decisão tomada. O que não significa, no entanto, o fim do debate político no canal público, segundo o seu diretor.

A presença de políticos na RTP vai ser garantida através de entrevistas ou de convites para participarem em debates — um formato que vai regressar ao canal 1 da televisão pública, já que agora estava concentrado na RTP Informação. O semanal Prós e Contras, conduzido atualmente pela jornalista Fátima Campos Ferreira, esse vai continuar a ser emitido, sem qualquer interrupção à vista.

Nuno Morais Sarmento, que comenta a atualidade na RTP às quintas-feiras, anunciou em direto, a 9 de abril, o fim do seu espaço de comentário. O contrato da estação pública com o antigo ministro da presidência tinha a duração de dois anos e termina, por isso, no final do mês de abril. Segundo noticiou o Diário de Notícias, A Opinião de Nuno Morais Sarmento alcançava uma audiência média de 745 mil telespectadores, sendo que no final de março de 2015 registou o melhor resultado desde a sua estreia, com mais de 800 mil seguidores.

Morais Sarmento assumiu o papel de comentador político na RTP em abril de 2013, todas as sextas-feiras. Era uma espécie de representante do PSD, na mesma altura em que o socialista José Sócrates ganhava o seu próprio espaço, com emissão aos domingos, em horário nobre. A RTP viria, no entanto, a suspender o espaço do ex-primeiro-ministro na sequência da sua detenção, em novembro do ano passado. Desde então, a estação pública não arranjou qualquer substituto para Sócrates, isto é, um comentador de esquerda.

A nova direção da RTP, definida em meados de março deste ano, decidiu agora que não vai convidar mais ninguém para fazer comentários nos mesmos moldes, os quais existem noutros canais portugueses. É o caso de Marques Mendes, aos sábados na SIC, ou de Marcelo Rebelo de Sousa, aos domingos na TVI. A nova filosofia da estação pública quanto ao comentário político vai ser vertida no livro de estilo da RTP, que vai sofrer atualizações.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
2.066

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)