Depois da formalização da composição do novo Governo regional da Madeira, Miguel Albuquerque também já escolheu o sucessor do polémico Jaime Ramos na liderança do grupo parlamentar. A escolha recaiu precisamente sobre o filho, Jaime Filipe Ramos, que era até aqui vice-presidente da bancada. Nas anteriores legislaturas e por decisão do líder parlamentar Jaime Ramos, o PSD sentava-se à esquerda da Mesa do presidente da Assembleia, porque era onde incidiam as câmaras de televisão. A esquerda (PS, CDU, PTP, MPT e PAN), juntamente com o CDS e o PND, ocupava o lado à direita da Mesa.

As alterações foram confirmadas pelo vice-presidente da Assembleia Legislativa da Madeira e porta-voz da Comissão Permanente, Paulo Fontes, que afirmou na terça-feira que o Parlamento já estava em condições de tomar posse na segunda-feira com os deputados do PSD a posicionarem-se à direita da Mesa. A decisão foi tomada ontem depois de a Comissão Permanente da Assembleia Legislativa da Madeira reuniu-se para verificação dos poderes dos deputados eleitos e traçar o posicionamento destes no plenário.

O PSD apresentou agora uma proposta (aprovada pelos sociais-democratas e tendo merecido a abstenção do PS e os votos contra do CDS-PP, da CDU, do PTP, do MPT e do PAN) reivindicando assumir os 22 lugares à direita da Mesa. A tomada de posse do novo Parlamento regional decorre amanhã.

Face a esta aprovação, o CDS-PP passou a ficar instalado à esquerda da Mesa da Assembleia, facto que mereceu um protesto por parte dos centristas. Houve ainda indicação da necessidade de criar mais dois lugares no plenário dado que a Mesa ficará constituída por dois secretários, um do PSD e outro da oposição. “Essa é uma questão que a nova Mesa terá que solucionar”, disse também Paulo Fontes.

Lopes da Fonseca, do CDS-PP, referiu, por seu lado, que o “PSD desloca-se todo para a direita, ocupando os 22 lugares da direita do senhor presidente e o CDS, por força dessa posição, terá que deslocar-se para a esquerda do hemiciclo o que significa aquilo que nunca aconteceu nem com Alberto João Jardim”, criticou.

Por isso, Lopes da Fonseca considerou ser um “marco que significa um mau começo para o relacionamento institucional nesta Assembleia porque o PSD, ao contrário daquilo que anunciou, fez precisamente o contrário”.

A mudança de posicionamento – situando-se o PSD na sua área ideológica – vem ao encontro de uma promessa do novo líder do PSD, Miguel Albuquerque, assim como a atribuição à oposição de um secretário da Mesa.

Os 47 deputados da Assembleia Legislativa da Madeira estão distribuídos: 24 pelo PSD (que detém a maioria); sete para o CDS; seis para a Mudança (PS, PTP, PAN, MPT); cinco para a JPP; dois para o PCP/PEV; dois para o BE e um para o PND.

Na parte da tarde de segunda-feira e no Parlamento, toma posse o XII Governo Regional presidido por Miguel Albuquerque.