O presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP) considerou “extremamente positiva” a iniciativa do primeiro-ministro de almoçar com os medalhados olímpicos portugueses a 25 de abril, mas disse estranhar as “circunstâncias incomuns” em que a mesma decorre.

“Acho que a vontade do senhor primeiro-ministro de Portugal de destacar o valor e o mérito dos nossos atletas em participações olímpicas, numa data com valor simbólico tão significativo como é o 25 de abril é um facto extremamente positivo”, disse José Manuel Constantino à agência Lusa.

No entanto, o facto de o convite de Passos Coelho só contemplar os 17 medalhados olímpicos portugueses ainda vivos, e não quaisquer estruturas do movimento olímpico, mereceu alguma estranheza do presidente do COP.

“Não escondo que as circunstancias em que essa iniciativa decorre são um pouco incomuns face àquilo que é a tradição e a cultural protocolar de relacionamento entre os órgãos de Governo, o Estado, e os espaços de representação olímpica”, afirmou.

José Manuel Constantino lembrou que “há uma tradição cultural, que é uma tradição não escrita, do ponto de vista da representatividade do movimento olímpico, que faz com que certas entidades e os agentes envolvidos acompanhem certo tipo de iniciativas que os governos tomam relativamente à temática que envolve a participação olímpica”.

O presidente do COP remeteu para segunda-feira mais esclarecimentos sobre o assunto: “Vamos ter reunião da comissão executiva e vamos apreciar as circunstâncias e o contexto para, se for caso disso, tomar alguma posição sobre a matéria.

José Manuel Constantino explicou que teve conhecimento da iniciativa de Pedro Passos Coelho durante uma reunião do Conselho Nacional do Desporto.

“Tomei conhecimento oficial através de uma informação prestada pelo secretário de Estado do Desporto na última reunião do Conselho Nacional do Desporto. Após a prestação desta informação, os trabalhos terminaram”, referiu.

Na quinta-feira, o secretário de Estado do Desporto e Juventude manifestou estranheza pela alegada existência de críticas ao almoço que a 25 de abril irá reunir o primeiro-ministro e 17 medalhados olímpicos ainda vivos.

“Não tenho conhecimento desse desagrado. Para quem tanto reclama falta de visibilidade do desporto, tenho algumas dúvidas de que alguém possa ter feito esse comentário”, disse Emídio Guerreiro à agência Lusa.

Após o almoço com os 17 medalhados olímpicos vivos, o chefe do Governo terá um segundo almoço, a 16 de maio, com atletas paralímpicos e posteriormente com as estruturas de cúpula do desporto.