A Barraqueiro juntou-se a David Neeleman para fazer uma proposta de compra da TAP de até 66%, avança o Diário Económico desta quarta-feira. O prazo de entrega das ofertas vinculativas termina na próxima sexta-feira.

O consórcio já terá garantido um capital de 300 a 350 milhões de euros, “o mínimo para garantir o processo de capitalização” da companhia aérea pelo Governo, disse ao Económico fonte próxima do processo. A operação será financiada através de capitais próprios e com o apoio de fundos de investimento.

Humberto Pedroso, presidente do grupo Barraqueiro, não confirmou a ligação com David Neeleman, mas reconheceu que a TAP “é um assunto que lhe interessa” e que está “a pensar”. “A TAP é uma empresa que merece todo o carinho. Era importante que houvesse uma presença nacional e gostaríamos de fazer parte” dela, acrescentou.

A Barraqueiro, que chegou a integrar o consórcio criado por Miguel Pais do Amaral, não será a única empresa a aliar-se a Neeleman. Juntamente com empresário norte-americano, deverão entrar na corrida para a compra da TAP a Weston Presidio, os brasileiros do grupo Bozano e Gávea Investimentos e as sociedades gestoras de fundos Petrson Partners, TPG e Zweig-Dimenna.