A União Europeia (UE) aprovou oficialmente, esta segunda-feira no Luxemburgo, o alargamento do prazo de sanções à Rússia por mais seis meses até ao final de janeiro. A decisão foi tomada pelos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE para colocar pressão adicional ao Kremlin no sentido de resolver pacificamente o conflito no este da Ucrânia, escreve a agência Bloomberg. O objetivo é que as sanções ao comércio e ao investimento pressionem a Rússia a cumprir o cessar-fogo de Minsk assinado em fevereiro, afirmou a porta-voz da UE, Maja Kocijancic, no Twitter.

As sanções europeias incluem a limitação do financiamento aos maiores bancos russos, a inibição da exportação de equipamento energético sofisticado e a proibição da venda de armas e de alguns bens com uso militar. Até à semana passada, altura em que se contemplou a opção do alargamento do prazo das sanções, estava previsto que estas fossem levantadas no final de julho deste ano.