Foram oito minutos de grande emoção os que se viveram, esta manhã, na sala de imprensa do estádio Santiago Bernabéu. O guarda-redes Iker Casillas despediu-se, ao fim de 25 anos, dos madrilenos e da casa que o viu “nascer”. Recusando-se a dizer um “adeus”, Casillas garantiu que continuará a vibrar pelo clube madrileno, embora vá lutar por títulos no clube do dragão. E deixou um pedido: que se recordem dele como uma “boa pessoa”.

“Depois de 25 anos defendendo a baliza do maior clube do mundo, chega um dia difícil, este dia, da minha vida desportiva. Dizer adeus a esta instituição que me deu tudo”, resumiu o guardião, corrigindo mais à frente: “não vou dizer adeus. Voltaremos a ver-nos por aqui em breve”, afirmou.

Iker prometeu ainda aos adeptos que, “para onde vá, seguirei gritando ‘Hala Madrid’”. Foi desta forma que Iker Casillas terminou a declaração de despedida lida aos adeptos do Real Madrid, depois de, no sábado, o clube ter oficializado a saída do guardião que ruma agora ao FC Porto.

Visivelmente emocionado e com voz embargada, Casillas fez várias pausas à medida que foi justificando a sua saída e deixando agradecimentos, merecendo logo de início uma salva de palmas.

Iker Cassilas começou por agradecer a todos os que o têm acompanhado, bem como ao presidente, ao treinador e aos adeptos da equipa portista que têm demonstrado muito entusiasmo pela contratação. “Estou muito feliz e muito contente e lutarei ao máximo para ganhar o maior número de títulos possível”, prometeu o jogador que se atrapalhou, contudo, na hora de dizer o nome do seu novo clube “… de lo Porto, del Porto, de Porto”.

Fazendo um apanhado dos 25 anos no Real Madrid, onde viu cumprido o seu “sonho”, Casillas não se esqueceu de ninguém. Agradeceu aos jogadores, com os quais formou “uma família”, aos treinadores que lhe ensinaram “muitas coisas” – e aqui mais uma vez a emoção cresceu – e a todas as equipas técnicas que o ajudaram a chegar onde chegou.

“Este clube não só me ensinou a ser um desportista, formou-me como pessoa. Ajudou-me a crescer, inculcando-me valores de respeito, companheirismo, de compromisso e sobretudo de humildade”, sublinhou o guarda-redes, que dedicou ainda umas palavras à família, ao filho e à mulher que continuarão a seu lado “a compartilhar cada momento desta apaixonante etapa da minha vida”.

Por fim, uma dedicatória aos adeptos “por me permitirem levantar cada taça, cada triunfo, por ser vosso capitão durante cinco anos, por me acompanharem nos bons e nos maus momentos e por me estenderem a mão para me levantar”.

Na despedida, Iker Casillas fez questão de repetir uma frase que costuma dizer nas entrevistas que dá: “mais do que recordarem como um bom ou um mau guarda-redes, espero que as pessoas se lembrem de mim por ser uma boa pessoa, com mil defeitos”. E saiu debaixo de aplausos.