A explosão de um carro armadilhado junto a um mercado a norte de Bagdade, no Iraque, fez cerca de 90 mortos. O ataque, já reivindicado pelo autoproclamado Estado Islâmico (EI), aconteceu esta sexta-feira, na véspera do fim do Ramadão. Há cerca de 120 feridos e pelo menos 17 pessoas continuam desaparecidas.

O atentando aconteceu na cidade predominantemente xiita de Khan Bani Saad, a 20 quilómetros da capital do Iraque. Um total de 15 crianças morreu na sequência da explosão, que deflagrou no coração do mercado da cidade, onde muitas pessoas estavam a fazer compras para o feriado Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadão. A cidade de Khan Bani Saad está localizada na província de Diyala, cujo governo declarou estar livre do grupo extremista em janeiro, mas onde têm acontecido cada vez mais ataques.

O Estado Islâmico já veio dizer que o carro armadilhado estava carregado com três toneladas de explosivos, os quais foram responsáveis por uma destruição de enormes proporções que deixou uma cratera no meio da rua com cinco metros de largura e dois de profundidade.

O número de mortos é um dos mais elevados desde que os jihadistas lançaram a sua ofensiva em todo o país, em junho de 2014. Talvez por esse motivo, o governador de Diyala declarou três dias de luto na região e todas as festividades associadas ao feriado foram canceladas.