São cada vez mais os turistas estrangeiros que procuram Portugal para passarem as férias. Só em 2013, o país recebeu 8,3 milhões de visitantes. O número, divulgado pelo Turismo de Portugal, representa um aumento de 8,3 por cento face a 2012, e a tendência é para que continue a crescer.

À semelhança de anos anteriores, a maioria dos visitantes era proveniente de países como Reino Unido, Espanha e Alemanha. Do Brasil, vieram cerca de 530 mil turistas.

Apesar disso, nem todos parecem saber ao que vêm. O Observador foi falar com três guias de turismo para tentar perceber o que é que os turistas sabem (ou não sabem) sobre Portugal.

Capítulo I: Os erros históricos

Ana (nome fictício), guia de turismo há mais de 20 anos, admite que já ouviu de tudo. Apesar disso, garante que os turistas com quem fala todos os dias arranjam sempre uma forma de a surpreenderem e de lhe perguntarem coisas novas.

Numa visita guiada às ruínas romanas de Conimbriga, depois de várias explicações, o grupo de turistas que acompanhava perguntou-lhe se “aquilo estava tudo partido porque tinha havido um terramoto”. Ana voltou a explicar-lhes que as ruínas tinham vários milhares de anos e que haviam sido construídas pelos romanos. Apesar disso, o grupo não ficou muito convencido. “Não têm muita noção do tempo e dos séculos. É tudo um bocado igual para eles”, disse a guia de turismo ao Observador.

No Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, perguntaram-lhe uma vez se a capela do Nosso Senhor dos Passos “era o túmulo de Cristo”. Na capela, construída junto à entrada da igreja, existe uma estátua de Jesus. Com toda a calma do mundo, Ana explicou à turista que Jesus não estava (nem poderia estar) sepultado naquela igreja. É também nos Jerónimos que lhe costumam fazer uma das questões mais recorrentes — se o mosteiro foi construído em honra de Jerónimo. Sim, o índio norte-americano.

Também em Lisboa, na Praça D. Pedro IV (Rossio), perguntaram-lhe se D. Pedro IV era D. Pedro I no Brasil por causa do fuso horário. A guia de turismo explicou que a numeração se devia à sucessão, mas ninguém pareceu ficar satisfeito com a resposta. Ana acredita que muitos dos erros se devem ao facto de as “pessoas virem de férias e estarem completamente relaxadas”. “Fazem certas perguntas que, se pensassem 30 segundos, nunca fariam”, defende a guia.

Joana (nome fictício), guia de turismo há seis anos, diz que os erros e as confusões são “muito recorrentes” e que acontecem todos os dias. Os históricos são, sem dúvida, dos mais comuns. Uma vez, durante uma visita à Torre dos Clérigos, no Porto, um turista comentou: “Wow, é mesmo bonito! Quem é que fez? Foi um mouro ou um romano?”. A Torre, que faz parte da Igreja dos Clérigos, foi construída durante o século XVIII.

Mas não é apenas a história dos monumentos que os turistas confundem. Numa outra visita, um fez questão de partilhar que estava a ler um livro sobre a história de Portugal — e que finalmente tinha chegado “à parte do Escobar”, o famoso traficante de droga colombiano.

“Este é o rei D. Carlos, que foi assassinado em 1908”, explicou Joana durante uma visita guiada em Lisboa. “Foi o Salazar que o matou?”, perguntou um turista curioso.

Marta (nome fictício), guia de turismo desde 2008, diz que já ouviu tantos disparates que já lhe “entram por um ouvido e saem por outro”. “É muito habitual”, disse ao Observador, “confundem as histórias todas”. Apesar dos erros históricos, Marta acredita que as maiores confusões surgem quando se fala de religião. “Se forem católicos percebem mais ou menos, mas se não forem têm alguma dificuldade em perceber”.

Durante uma visita guiada ao Santuário da Nossa Senhora da Nazaré, um grupo de turistas perguntou-lhe de que “senhora é que estava a falar” porque já não se conseguiam lembrar. A guia, que já lhes tinha falado de Fátima e de outras revelações marianas em Portugal, tinha acabado de lhes contar a história da aparição de Nossa Senhora a D. Fuas Roupinho, alcaide-mor do castelo de Porto de Mós, na Nazaré.

Mas, no que diz respeito à religião, a pergunta mais frequente é feita durante as visitas ao Santuário de Fátima. Marta já não consegue contar o número de vezes que lhe perguntaram pelo túmulo da Nossa Senhora de Fátima. Ana e Joana também já tiveram de responder à mesma pergunta — vezes e vezes sem conta.

“Aqui estão o Francisco e a Jacinta”, os pastorinhos de Fátima, explicou Joana durante uma visita ao santuário. “E onde é que está o túmulo da Nossa Senhora de Fátima?”, perguntou um dos turistas.

Capítulo II: Os erros geográficos

Para Joana, os erros históricos são “previsíveis”. O que a guia de turismo não compreende é as confusões que existem em relação à geografia portuguesa. “Muitos turistas vêem o rio Tejo e perguntam se do outro lado fica Tenerife, Marrocos ou a Madeira. Não percebem muito bem onde estão, acham que o rio é o mar. Acham muito estranho que do outro lado ainda seja Portugal.”

A guia de turismo confessa que lhe faz “um bocado de confusão” que os turistas venham “para um país e não saibam onde fica”. Muitos deles viajam até Portugal sem qualquer “referência” ou “imagem”. “Vêm para cá completamente às escuras”, admite. Ao Observador, a guia lembrou a história de uma turista de Taiwan, que viajou até Portugal na companhia do marido, que vinha participar numa conferência sobre medicina. Aos amigos que lhe perguntaram o que ia ver em Portugal, a mulher respondeu simplesmente “não sei, depois conto-vos quando voltar”.

“Como é que vamos para a Madeira? Vamos de autocarro?”, perguntou uma vez um turista a Joana.

Ana diz que é muito recorrente perguntarem-lhe se Almada é África. Para evitar a pergunta, a guia, mal chega à beira do Tejo, apressa-se a explicar que do outro lado não fica Marrocos, mas sim Portugal. Existe “um grande desconhecimento em relação ao mundo em geral e à geografia”, admite.

Marta lembra-se de um condutor italiano que, apesar de já ter estado em Lisboa, lhe perguntou se do outro lado da ponte ficava a Madeira. “Em termos de geografia, não têm mesmo noção”, disse ao Observador. Um grupo de italianos interrogou-a uma vez sobre a moeda usada em Portugal.

“Este é o rio Vasco da Gama?”, interrogou um turista em Lisboa.

Capítulo III: Os outros erros

Todos os dias, um ou outro turista chega a Portugal convencido de que por cá só se fala espanhol. Dizem “gracias” com a convicção de quem sabe o que está a dizer. Mas Joana não leva a mal. “Eles fazem um esforço para falar a nossa língua, só que falam a errada…”

As confusões com os nomes dos locais também são recorrentes. O estilo “manuelita” do Mosteiro dos Jerónimos, o Bom Jesus de “Praga”, o Museu “do Calisto” (Calouste Gulbenkian) ou a Revolução dos “Escravos” (Cravos) — Joana e Marta admitem que já ouviram de tudo.

“Uma vez disseram-me que queriam fazer uma reserva no Solar das Mortadelas”, contou Marta. Só ao fim de algum tempo é que a guia de turismo percebeu que estavam a falar do Solar dos Presuntos, um restaurante na rua das Portas de Santo Antão, em Lisboa.