Os democratas americanos estão a preparar-se para apresentar ao Congresso uma lei que vai conferir mais proteção às pessoas LGBTI. O pacote legislativo da Igualdade, que será apresentado esta quinta-feira, vai proibir a discriminação pela orientação sexual e identidade de género no mercado de trabalho e nas instituições de ensino superior. Esta Lei da Igualdade vai representar a “mais robusta extensão da proteção de grupos” desde a Emenda dos Direitos Civis de 1964, define o Mic.

“Todos os dias milhões de americanos LGBT enfrentam o perigo real da discriminação e até de violência, por causa da orientação sexual ou identidade de género”, escreveu o democrata de Rhode Island numa carta dirigida aos restantes membros do Congresso. David Cicilline acrescentou: “um casal do mesmo sexo casa-se no sábado, coloca fotografias no Facebook no domingo e na segunda está em risco de ser despedido ou de ser despejado do apartamento onde vive“.

Surgiram várias discussões sobre se se deveria usar aqui o mecanismo de “emenda”, ou seja, introduzir este acrescento mas passando por um processo legislativo. Os ativistas da causa e os legisladores discordaram, tendo como base a preocupação de interferência dos legisladores conservadores que poderiam querer alterar a medida. “Os americanos iam ficar chocados se percebessem quanta discriminação ainda é legal hoje em dia no nosso país”, disse o senador Jeff Merkley no ano passado, recorda o Mic. Jeff Merkley é um dos democratas que vai apresentar a lei. “Já é tempo de haver leis federais amplas pela não-discriminação que garantam a igualdade para cada americano LGBT”. Em junho, o Supremo Tribunal americano considerou o casamento entre pessoas do mesmo sexo um direito constitucional em todos os Estados Unidos. O governo americano congratulou-se com a decisão, sendo que Barack Obama e Joe Biden têm-se assumido como defensores da causa LGBT.