Mundo

Blatter revela que Platini o avisou que seria preso se não abandonasse a FIFA

Joseph Blatter, presidente demissionário da FIFA, revelou que Michel Platini, o alertou que seria detido caso não abandonasse a liderança. Fonte próxima do francês, que é candidato à FIFA, desmente.

Laurence Griffiths

Joseph Blatter, presidente demissionário da FIFA, revelou que Michel Platini, líder da UEFA, o alertou que seria detido caso não abandonasse o cargo no organismo que tutela o futebol mundial.

Numa entrevista ao jornal holandês Volkskrant, publicada este sábado, o ainda líder da FIFA contou que Platini alertou o seu irmão, Peter Blatter, no último congresso eleitoral, em maio, que se Joseph Blatter se recandidatasse ao cargo seria detido pelas autoridades. “Durante um almoço, Platini sentou-se ao lado do meu irmão e disse-lhe: ‘diz ao Sepp para desistir da candidatura, ou será preso'”, revelou o presidente demissionário.

Blatter foi reeleito em maio para um quinto mandato, mas acabou por se demitir dias depois, na sequência de um escândalo de corrupção. Entretanto, o suíço comprometeu-se a deixar o cargo após as eleições, a 26 de fevereiro.

Contatada pela AFP, fonte próxima de Platini considerou que estas revelações de Blatter são “alegações ridículas”. “Esta completa ‘fabricação’ é a última de uma série de tentativas para distrair toda a gente, desde que os problemas começaram a afetar a FIFA. São alegações ridículas, que não merecem resposta”, disse a mesma fonte à agência francesa.

Na mesma entrevista ao Volkskrant, Blatter acrescentou que se sentiu traído por Platini, com quem manteve uma relação “quase de pai para filho”. “Trabalhou comigo durante quatro anos na FIFA, depois do Mundial de 1998, em França. Em 2007, assumiu a presidência da UEFA com a minha ajuda. Platini mudou e só ele pode saber o que se passa na sua cabeça”, disse o suíço.

A FIFA vive ‘mergulhada’ num escândalo de corrupção, divulgado após uma investigação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, segundo o qual vários dirigentes e ex-dirigentes do organismo estarão envolvidos em atos de conspiração e corrupção nos últimos 24 anos, cujos subornos poderão ascender a 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).

Michel Platini, e o empresário sul-coreano Chung Mong-joon, proprietário do grupo Hyundai, já manifestaram a intenção de se candidatar à presidência da FIFA.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)