O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, atacou esta terça-feira o Benfica na sua página no Facebook, ao dizer que o clube da Luz está desorientado e que manipula a sua história, números de sócios e de títulos.

Em referência ao pedido de 7,5 milhões de euros de indemnização do Benfica a Jorge Jesus, anunciado por João Gabriel, diretor de comunicação dos encarnados, Bruno de Carvalho diz que é “um ato miserável e desnorteado de um clube onde os próprios sócios estão ‘demissionários’”.

“Tudo vale na guerra do faz de conta. Aí são verdadeiros campeões. Eles manipulam datas de fundação, números de sócios, números de adeptos, números de campeonatos, capas de jornais, textos, opinadores e comentadores. Tudo serve para tentar encobrir a convulsão interna que vivem”.

Bruno de Carvalho disse que quer que “definitivamente todas as pessoas percebam que ninguém desestabiliza o Sporting Clube de Portugal, que ninguém desestabiliza os profissionais que trabalham no Sporting Clube de Portugal e que ninguém tira o Sporting Clube de Portugal do rumo a que se propôs”.

Sobre João Gabriel, responsável da comunicação benfiquista que Bruno de Carvalho comparou à personagem Mr. Burns, da série Simpsons, o presidente leonino diz que “se é guerra que quer é guerra que terá”. Na segunda-feira, João Gabriel, em declarações ao Expresso, confirmou que o Benfica não pagou o último salário a Jorge Jesus e vai pedir uma indemnização de 7,5 milhões de euros, alegando que o treinador rescindiu unilateralmente o contrato que o ligava às águias.

Já depois do jogo do Sporting com o CSKA, João Gabriel foi ao Twitter.

Bruno de Carvalho não se ficou e respondeu-lhe, de novo através do Facebook:

Caro Mr. Burns, então levou tantos anos para perceber que um cretino afinal é… um cretino?”

Após o jogo de hoje com o CSKA de Moscovo, para a Liga dos Campeões, que o Sporting venceu por 2-1, Jorge Jesus afirmou que é “livre de escolher o clube” de futebol que quer treinar, em reação ao processo que o Benfica vai mover contra si.

“Continuo focado no meu trabalho. A minha responsabilidade é potenciar esta equipa [Sporting] e estes jogadores e, quando tivermos todos os jogadores disponíveis, ficaremos ainda mais fortes. Estive à margem desse problema. O que vos posso dizer é que vivo num país livre e, por isso, sou livre de escolher o clube que quero treinar”, disse Jesus.