A Associação Nacional de Produtores de Pera Rocha vai investir, até ao final do ano, um milhão de euros em ações de promoção do fruto, a primeira das quais a visita de vinte jornalistas estrangeiros à região.

Esta visita decorre até ao final deste sábado, “inserida num projeto que visa mostrar a região em que é produzida e a singularidade de pera rocha, para que depois [os jornalistas] possam divulgá-la nos seus países, através de artigos nas suas publicações”, explicou à Lusa Aristides Sécio, presidente da Associação Nacional de Produtores de Pera Rocha (ANP).

A estada dos jornalistas oriundos da Alemanha, Polónia, Reino Unido, Canadá e Brasil é a primeira ação promocional financiada através de uma candidatura a fundos europeus, no valor de um milhão de euros.

A verba será ainda utilizada em “ações de promoção em pontos de venda, ações de rua, colocação de outdoors e outras formas de promover a pera rocha, como um produto nacional, sem a associar a marcas”, acrescentou Aristides Sécio.

As campanhas irão incidir, para já, “nos principais países importadores de pera”, encabeçados pelo Reino Unido e Brasil, mas os resultados desta primeira ação irão estender-se a vários mercados já que comitiva integrou, entre outros, o representante do Fruitnet, um grupo editorial com seis publicações especializadas em fruticultura.

“Editamos revistas para o mercado europeu, americano, asiático, alemão, australiano, neozelandês e chegamos inclusive ao médio oriente”, disse à Lusa André Azevedo, responsável pelo grupo que irá “publicar artigos sobre a singularidade do fruto e as suas diferenças em relação a outras peras europeias”.

Depois de três dias a visitar pomares e centrais fruteiras, André Azevedo levará hoje na bagagem “um conhecimento mais profundo sobre as complicações desta campanha”, em que se estima uma quebra de 50% na produção.

Em Óbidos, onde terminou a visita, destacou “a vontade de os produtores se unirem todos no mesmo sentido”, considerando tratar-se de “um exemplo de como a promoção deve ser entendida”.

De fora ficaram, desta vez, os mais recentes mercados com os quais o Governo já negociou a entrada da pera nacional (Costa Rica e México) mas, adiantou Aristides Sécio, “vamos em setembro delinear novas ações a desenvolver e a estratégia de promoção nestes países novos”.