O incêndio florestal que atinge o Sabugal, na Guarda, provocou um morto e ainda representa uma “situação muito complicada”, disse neste sábado fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro da região (CDOS). O fogo provocou “uma vítima mortal civil na aldeia de Sobreira”, uma das sete populações que estiveram ameaçadas pelas chamas, avançou à agência Lusa o comandante do CDOS da Guarda, António Fonseca.

O combate ao incêndio “ainda não está a evoluir favoravelmente, porque há muito vento e a situação ainda é muito complicada”, acrescentou. Este é um dos três incêndios referenciados na página eletrónica da Autoridade Nacional de Proteção Civil, sendo o que mais operacionais envolve, com 237, além de cinco meios aéreos.

No Sabugal, mais de 250 operacionais, com cinco meios aéreos, estão a combater, neste sábado, um incêndio com três frentes ativas. O incêndio, a afetar principalmente mato, iniciou-se pouco depois das 2h30 de hoje, em Rebelhos-Sortelha, e está a ser combatido por 197 bombeiros, ajudados por operacionais de outras entidades, como a GNR.

Segundo os dados da página eletrónica da Proteção Civil, estão a ser utilizados quatro aviões e um helicóptero no combate às chamas, além de 68 meios terrestres.