Pais e Filhos

Comeu e quer ir ao mar? Vá, mas vá com calma

17.114

Morrer de congestão é um mito. Mais um. Quando muito morre-se por desmaiar dentro de água. Portanto tente não entrar na água muito rápido para evitar o choque térmico.

Evite entrar no mar de repente se estiver muito quente

YASUYOSHI CHIBA/AFP/Getty Images

“Mãe, pai, já está na hora de ir ao banho?” Se não ouviu esta frase dos seus filhos, talvez a tenha repetido vezes sem conta aos seus pais. Depois, a resposta que nenhuma criança quer ouvir: “Não. Ainda não fizeste a digestão.” Mas será que temos mesmo de esperar ou isto não passa de um mito urbano? Ou uma mentira “inocente” que ajuda os pais a manterem os filhos mais tempo na areia?

É verdade que quando estamos a fazer a digestão há uma maior quantidade de sangue dirigida ao nosso sistema digestivo para que o processo decorra rapidamente e sem problemas de maior, por isso Rui Capucho, médico na Unidade de Saúde Pública de Chaves, recomenda que “haja algum tempo entre a refeição e o banho de mar”. Mas quanto tempo? Uma digestão de três horas meia, que tantas vezes ouvimos, depende muito da quantidade de comida. O médico diz ao Observador que a “digestão de uma refeição leve fica feita em uma hora ou hora e meia”.

Esperar pelo fim da digestão faz ainda menos sentido – imagine-se – para as crianças, diz ao Observador o pediatra Mário Cordeiro. “Isso justifica-se nos casos de adultos que comem muito (uma sardinhada ou uma feijoada), bebem bastante, depois ficam ao Sol a dormitar e, de repente, entram dentro de água. Aí, sim, pode haver uma alteração dos fluxos sanguíneos da parte gastrointestinal para outras, havendo a chamada ‘paragem de digestão'”, alerta o médico. “Não é o que se passa com as crianças, que comem muito pouco (mesmo as que comem bem), não bebem álcool e vão-se molhando na praia a pouco e pouco, não estando a dormir ao sol.”

“Molhar aos poucos é uma recomendação sempre avisada”, lembra Mário Cordeiro. Porque se o fluxo de sangue está mais concentrado no sistema digestivo, entrar na água fria pode fazer com que este se desvie para os órgãos vitais, na tentativa de manter a temperatura normal destes órgãos. O mesmo aconteceria se depois de uma grande refeição fosse fazer exercício físico intenso – o sangue era desviado para os músculos. Por isso, o pediatra recomenda, para adultos e crianças, fraccionar as refeições e não comer demasiado. É que lutar contra as ondas do Oeste parece quase uma aula intensa de ginásio.

Quando o sangue é desviado do estômago, isso pode dificultar o processo digestivo ou mesmo parar a digestão. Podem acontecer enjoos ou vómitos, refere o médico de saúde pública, mas “congestões e mortes por entrar na água depois de comer é um mito”. “Do ponto de vista científico não existe congestão”, confirma Mário Jorge Santos, presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública. O maior risco são as diferenças muito bruscas de temperatura – como um mergulho na água fria depois de muito tempo ao Sol -, que podem provocar um choque térmico.

O choque térmico vai provocar uma reação vasovagal – uma reação repentina lhe leva o sangue para as extremidades em vez de o levar para o cérebro. “[Esta reação] provoca uma baixa de tensão arterial repentina e pode assim provocar um desmaio. E um desmaio dentro de água pode resultar em morte”, explica Rui Capucho. É daqui que parece vir a dita expressão: “morte por congestão”.

Rui Capucho explica que os desmaios devido choque térmico também acontecem frequentemente com idosos quando estão ao pé da lareira e vão para o exterior durante o inverno frio (ou vice-versa). Mário Jorge Santos ainda acrescenta ainda que “a maior parte das mortes por afogamento têm a ver com as condições do mar ou com questões de saúde, como problemas de coração ou diabetes”.

20th July 1935: A group of young children sit in the shallows as they enjoy an ice-cream at Littlehampton. (Photo by Reg Speller/Fox Photos/Getty Images)

Os alimentos ou bebidas gelados podem dificultar a digestão, mas sobretudo naqueles que comeram muito à refeição – Reg Speller/Fox Photos/Getty Images

Como o problema aqui é o choque térmico, um duche depois da refeição – a não ser que pense em tomar um banho de água gelada – não tem qualquer problema. E não precisa de ser nos 20 ou 30 minutos depois da refeição – mais um mito. E já agora também não se deixe cair nas crenças populares de que não pode cortar o cabelo, a barba ou as unhas depois de ter comido.

Já com as bebidas muito frias ou com os gelados durante a digestão é melhor ter um pouco mais cuidado. “Sendo o estômago uma ‘panela de cozer’, deitar algo muito frio, pode ‘encruar’ o que lá está dificultando a digestão, tal e qual uma panela de arroz. É por isso que, nas culturas orientais, se acompanham as refeições com chá morno ou quente”, explica Mário Cordeiro. “[Adicionalmente,] muita quantidade de líquidos pode diluir os sucos gástricos, tornando a digestão estomacal menos eficiente e mais lenta.” No entanto o pediatra não considera que isso seja um problema grave para as crianças, porque estas comem pouco.

O pediatra termina deixando algumas recomendações para adultos e crianças. Estejam “atentos a sinais como enjoo, má disposição, dores de cabeça, vómitos”. “Quando a água está muito fria molhar por partes, nomeadamente a nuca, os ombros e o peito.” Evite também estar muito tempo ao Sol, especialmente sem chapéu, e deixe as refeições pesadas para os dias encobertos em que decide não ir à praia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Pais e Filhos

O curriculum dos pais /premium

Eduardo Sá
164

Num mundo em que os filhos nos pedem “Pai, vê aí, no Google, se Deus existe!”, temos de reconhecer que sermos pais é aquilo que mais nos torna “reserva natural da vida selvagem”.

Pais e Filhos

Deixem a adolescência em paz! /premium

Eduardo Sá
13.813

Dêem-lhes tempo para ser adolescentes! Deixem-nos errar. Deixem-nos querer mudar o mundo. Deixem-nos ter sonhos. Deixem-nos pôr os pais em causa. Mas não deixem (nunca!) de ser pais. 

Pais e Filhos

Querido pai /premium

Eduardo Sá
172

O que não faz sentido, neste momento em que a “versão autoritária” do pai e a “versão submissa” da mãe estão em grande mudança, é que um e outro se “rendam” a um novo (pequeno) chefe de família

Pais e Filhos

O lado feminino dos homens /premium

Eduardo Sá
107

Pergunto-me o que é que aconteceria se nós chamássemos ao "lado de leoa" duma mãe, por exemplo, "o lado masculino" de uma mulher. Tenho medo que, de dedo em riste, alguém achasse sexista…

Serviço Nacional de Saúde

Conversa da obstreta /premium

José Diogo Quintela

Como é que Costa acha que vão reagir os condutores de ambulâncias quando começarem a ser agredidos por grávidas irritadas, às voltas em Lisboa à procura da urgência que calha estar aberta naquele dia?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)