O Ártico é a nova porta de entrada para os Sírios que querem entrar na Europa. Refugiados de guerra, atravessam por vezes a fronteira entre a Rússia e a Noruega de bicicleta: “Cerca de 150 pessoas, na sua grande maioria sírios, atravessaram aqui a fronteira este ano”, disse à AFP, Hans Møllebakken, chefe da polícia norueguesa em Kirkenes, a cerca de 4.000 quilómetros de Damasco.

Muitos dos migrantes sírios viviam na Rússia há já alguns anos, enquanto “outros voaram do Médio Oriente até Moscovo, depois viajaram até Murmansk para depois chegarem a Kirkenes”, disse Møllebakken.

Ao mesmo tempo que milhares de refugiados tentam entrar na Europa pelo mar Mediterrâneo ou atravessando os Balcãs, outros tantos sírios apostam em opções mais longínquas, mas mais seguras, como o caso do posto fronteiriço de Storskog, no norte da Europa.

A Noruega, que não faz parte da União Europeia (UE) mas integra o espaço Shengen, tem aplicado uma política limitativa de acolhimento de refugiados, sob ordem da coligação a que pertence a direita populista anti-imigração. A Suécia, país vizinho tem, por outro lado, uma posição diferente e, só no ano passado, recebeu 13% dos refugiados que pediram asilo na UE.

Como a passagem por Storskog não é permitida aos peões, os migrantes tentam atravessar de carro, mas como alguns defrontam uma falha na regulamentação, escolhem fazer a travessia de outras formas: “Sabemos de alguns que passaram de bicicleta em pleno Inverno”, avançou o inspector Gøran Stenseth. “O frio, a neve, a escuridão… tudo isto representa um verdadeiro desafio para estas pessoas”, acrescenta.

“Neste momento, nada indica que existam redes de tráfico organizado, as pessoas que estão a fazer a travessia são indivíduos isolados, famílias ou pequenos grupos”, sublinha Gøran Stenseth. A polícia de Kirkenes já apreendeu 20 bicicletas e multou, em 600 euros, russos e noruegueses que ajudaram os migrantes em troca de dinheiro.

Os migrantes que chegam a Kirkenes são transportados para Oslo. Ali fazem o seu pedido de asilo que segue para análise. A Noruega já recebeu cerca de mil pedidos de asilo de sírios, desde janeiro.